O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta semana, o número de desempregados no país, referente ao mês de abril de 2016. A taxa ficou em 11,2%, o que indica que há 11,4 milhões de brasileiros estão sem empregos no país.

A taxa de #Desemprego é a maior já registrada pelo (IBGE), desde que começaram as pesquisas em 2012,  mostrando que a economia brasileira esta estagnada.

Em comparação ao mesmo período de 2015, quando a taxa era de 8%, o aumento foi de 42,1%. Um grande salto, deixando o governo de Temer preocupados com a sequência deste aumento.

A pesquisa analisou também que houve uma queda no número de empregados, os seja, em abril cerca de 90,6 milhões de pessoas estavam empregadas, 1,7% menor que em 2015, quando havia cerca de 92,1 milhões de empregados.

Publicidade
Publicidade

Segundo o coordenador da pesquisa do IBGE, Cimar Azeredo, se o país perde 1,5 milhões de postos de trabalho, haverá cerca de 3,4 milhões de pessoas à procura de emprego. 

Os setores que tiveram a maior queda

O setor que mais sentiu a queda de rendimento, devido à resseção da economia do país, foi a construção civil, que caiu 5,1%, seguido pelas indústrias, 3,9%, e o comércio, 1,7%. 

O resultado desta desaceleração da economia trouxe um conjunto de problemas, que estão sendo sentidos pela população brasileira. Uma delas é o recuo dos salários pagos pelas indústrias, que sentiram a necessidade de diminuir os salários de seus funcionários para não ter que demiti-los, o que aumentaria ainda mais o desemprego.

Os setores em que mais houve queda de salários foram agricultura, pecuária, pesca, onde a queda foi de 6,4%, comércio e reparação de veículos e motocicletas caíram 4,6%.

Publicidade

Com o recuo dos salários, o volume de capital de giro na economia diminui drasticamente, o que provoca um empobrecimento das famílias brasileiras, refletindo diretamente no comércio local, provocando mais demissões e desemprego neste setores da economia.

O novo ministro da Economia, Henrique Meirelles, não descarta aumento nos impostos, já que o déficit do governo está acima dos 100 bilhões de reais. Com esta medida, o desemprego poderá aumentar ainda mais, já que a carga tributária, que já é uma das maiores do mundo, pode forçar o fechamento de mais pontos de trabalho. #Crise #Crise econômica