A situação anda feia para o lado dos captadores da Lei Rouanet dos últimos dez anos. Isso porque todos estão na mira da Operação Lava Jato. No último dia 30, o delegado da Polícia Federal, Eduardo Mauat, enviou um ofício ao Ministério da Transparência Fiscalização e Controle pedindo os nomes dos 100 que mais receberam recursos da lei desde 2006. No ofício enviado, o delegado quer saber detalhes dos valores recebidos, de onde vieram os recursos e se houve prestação de contas no caso dos projetos aprovados. O Ministério confirmou o recebimento do ofício e disse que ainda está em análise para saber se dará prosseguimento.

Veja abaixo a lista dos 15 maiores captadores em 2015:

10° - Instituto Cultural Inhotim – R$10.592.266,65 Fundado em 2002, e com sede em Brumadinho (MG), o instituto é responsável pela exposição, produção e conservação de trabalhos de arte e oficina.

Publicidade
Publicidade

 9° - D+3 Produções Artísticas – R$10.719.440,00 Produtora de eventos, shows e festivais, a empresa é sediada no Rio de Janeiro e existe desde 1996.

8° - Orquestra Sinfônica Brasileira – R$10.799.780,80 Com sede no Rio de Janeiro, e fundada nos anos 40, a Orquestra Sinfônica Brasileira é voltada à projetos e apresentações ligadas à música clássica.

7° - Expomus – R$12.286.000,00 A Expomus é sediada em São Paulo e atua desde 1981 em prol da revitalização e criação de espaços culturais.

6° - Fundação Bienal de São Paulo – R$13.270.450,00 Desde 1962, a Fundação Bienal de São Paulo trabalha em eventos e exposições em prol da arte contemporânea.

5° - T4F Entretenimento – R$13.465.000,00 Sediada em São Paulo, a T4F é responsável na comercialização de shows como de Chitãozinho e Xororó e Coldplay.

Publicidade

4° - Instituto Itaú Cultural – R$14.730.000,00 Com sede em São Paulo, e atuando há 27 anos, o instituto é voltado para manifestações artístico-intelectuais, pesquisa e produção de conteúdo.

3° - MASP – Museu da Arte de São Paulo – R$17.724.344,00 Fundado em 1947, o MASP produz diversas exposições utilizando as coleções do museu.

2° - Instituto Tomie Ohtake – R$19.733.528,17 Sediado em São Paulo desde 2001, o instituto trabalha em projetos tais como “Frida Kahlo” e “Picasso, mão erudita, olho selvagem”.

1 – Aventura Entretenimento – R$21.712.526,10 A empresa, que tem sua sede no Rio, existe desde 2008 e produz diversos espetáculos, entre eles o do Chacrinha e Elis, a turnê musical. #Crise econômica #Reforma política #Crise-de-governo