Chegou a hora dos funcionários da Petrobras sentirem diretamente no bolso o impacto da #Crise provocada pelos desvios de bilhões de reais, e má administração pública e evasão de divisas, alguns dos crimes investigados pela Operação Lava Jato, que foram praticados contra a estatal. A empresa que já reduziu investimentos, principalmente na área da exploração do gás, agora pretende discutir com o sindicato a redução da carga horária para 6 horas e corte em 25% do salário dos trabalhadores para organizar seus recursos.

O site Estadão divulgou que a tentativa de implementar a redução dos gastos foi realizada pela Petrobras no final do ano passado, mas o então presidente Aldemir Bendine acabou cedendo às pressões do sindicato diante da greve realizada e da grande influência exercida por funcionários militantes do PT.

Publicidade
Publicidade

A expectativa esse ano gira em torno do atual presidente da empresa, Pedro Parente, que deve retomar as negociações com o sindicato no segundo semestre para alterar o acordo coletivo com os trabalhadores e promover o corte nos gastos com a folha de pagamento ainda este ano. 

Os cortes devem seguir a mesma proposta do ano passado, atingindo principalmente o salário do pessoal da área administrativa, a partir da redução da carga horária, além de prever a alteração do valor pago pelas horas extras no fim de semana de 100% para 80% da remuneração.

Parente necessita promover ajustes nas finanças da estatal ainda maiores do que as alcançadas por Bendine que, durante sua gestão, implementou plano de venda de ativos para conseguir dar sobrevida à empresa e que por isso acabou sendo apelidado pelos sindicalistas como "Vendine".

Publicidade

 

O atual cenário político com Michel Temer no governo, prometendo reorganizar a economia, e o evidente enfraquecimento do PT e de seus aliados, devem contribuir para avanços na pretensão de Parente que tenta se aproximar dos trabalhadores com o discurso de que as demissões não ocorrerão. O novo presidente da estatal tem garantido aos funcionários que a venda de unidades da companhia vão resultar em realocação dos trabalhadores com realização de novo treinamento para atuação na nova função.