Na última sexta, o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro, estendeu o prazo para #Dilma Rousseff apresentar sua defesa sobre possíveis irregularidades nas contas do Governo Federal de 2015. A defesa da presidente, afastada por conta do processo de impeachment, anteriormente programada para o domingo, 24 de julho, terá que acontecer em, no máximo, 30 dias.

O prazo adicional começará a ter validade a partir do momento da entrega da notificação do Tribunal, possivelmente na segunda que vem.

No último mês de junho, houve, por parte do TCU, a aprovação unânime do relatório do ministro José Múcio, no qual haviam indícios de irregularidades em contas de Dilma.

Publicidade
Publicidade

Ao todo, são 23 casos suspeitos, 18 deles na área técnica e os cinco restantes em casos listados pelo Ministério Público.

Entre as possíveis irregularidades, aquela, que chama mais a atenção, seria uma provável reedição de atrasos de repasse de recursos a bancos federais para o pagamento de contas públicas, as denominadas "pedaladas fiscais".

"Do mesmo modo que ocorreu ano passado, foram identificados indícios de irregularidades na gestão orçamentária e financeira e possíveis distorções nas informações contábeis e de desempenho", explicou Monteiro ao G1 neste sábado.

As "pedaladas" ocorreram, anteriormente, em 2014. Na ocasião, o governo praticamente obrigou a Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), dentre outros bancos estatais, a haver o financiamento das ações com recursos próprios.

Publicidade

Segundo o TCU, essas práticas configuram um empréstimo, algo proibido pela Lei da Responsabilidade Fiscal, além de ser uma forma de "maquiar" a real situação financeira do mandato Dilma Rousseff.

José Múcio Monteiro também aponta uma demora do Governo Federal para quitar os pagamentos de dívidas junto aos bancos. Uma delas seriam quase R$ 11 bilhões, consequentes de atrasos de repasses do Banco do Brasil ao Plano Safra. O acerto do débito, em 2015, estava programado para ocorrer a partir de 1º de janeiro, mas só começou a ser feito em abril, durando até o final de dezembro.

A palavra final sobre as contas do Governo Dilma cabe ao Congresso Nacional. O relatório do TCU pode o não ser seguido pelos parlamentares. #Corrupção #Crise econômica