As coisas andam tão ruins para o setor automotivo que, mesmo com o segundo mês consecutivo de recuperação, o mercado brasileiro fechou o primeiro semestre deste ano com os piores números dos últimos dez anos. De acordo com dados divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), as vendas nacionais subiram 2,6% no mês passado, em relação a maio. Apesar do resultado positivo, os emplacamentos de junho registraram queda de 18,6% sobre o mesmo período de 2015. No acumulado deste ano, as perdas de carros de passeio e comerciais leves chegam a 25,1% - a retração chega a mais de 44% em relação a 2013, ano do recorde histórico nacional.

Publicidade
Publicidade

A queda no segmento de transportes, que reúne caminhões e ônibus, não se acentuou e ficou na casa de 34% nos primeiros seis meses de 2016. Já entre as motocicletas e ciclomotores, a #Crise agravou e a retração de 6,4%, de junho, elevou a perda acumulada no primeiro semestre em um ponto percentual, para 14,7%.

"Notamos uma ligeira melhora não só nos licenciamentos, como também na confiança do consumidor, mas isso não muda nossa projeção de queda de 15%, para o fechamento deste ano”, avalia o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr. De acordo com ele, a discreta reação registrada nos dois últimos meses também encoraja os investidores. “É uma expectativa otimista, que considera uma melhora gradual da economia e, consequentemente, do setor automotivo”, pontuou. Vale lembrar que, no início de junho, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), reviu suas projeções para uma contração de 19% - no início deste ano, a Anfavea previa perda de 7,5%.

Publicidade

Participação de mercado

Na briga pela liderança, a General Motors mantém o primeiro lugar com uma participação de 16,5%, à frente da Fiat (15,1%). Volkswagen, com uma fatia de 13,3%, Hyundai, com 10%, e Toyota, com 8,9%, completam a lista das cinco marcas com maiores volumes no país. Aqui, vale destacar a queda da Ford, que ocupava a quarta posição um ano atrás, com participação de 10,5%, e hoje ocupa o sexto posto com 8,5%, cada vez mais ameaçada pela Renault – se a dinâmica dos últimos 12 meses for mantida, a montadora francesa ultrapassará a norte-americana na virada deste ano para 2017.

Entre os campeões de vendas, o Chevrolet Onix ampliou sua liderança com alta de 6,1% nos emplacamentos, em junho. Vice-líder nacional, o Hyundai HB20 também fechou o mês passado com ganhos de 3%, mas foi o Sandero, da Renault, que saltou da décima para a terceira posição com um crescimento surpreendente de 26,4%. Já os destaques negativos ficam por conta dos Fiat Palio, com queda de 18% no período, Uno, que da sétima posição, conquistada no primeiro semestre de 2015, caiu para a 20ª, em junho, e Mobi, que em seu terceiro mês cheio de vendas não conseguiu ir além de um 19º lugar na tabela – ou seja, o novo popular da Fiat dá pinta de natimorto.

Publicidade

Os utilitários-esportivos (SUVs) seguem como bola da vez, mas com ganho mínimo, de 0,5%, no mês passado. O segmento responde, hoje por 15,1% dos emplacamentos nacionais, 4,6 pontos percentuais mais do que em 2015, mas apenas o líder da classe, o Honda H-RV, vem licenciando mais de 5.000 unidades mensais. Já Ford EcoSport e Renault Duster seguem perdendo espaço: o primeiro, que tinha 13,3% de participação no segmento no fechamento do primeiro semestre do ano passado, hoje tem apenas 8,7%, e o segundo, que tinha uma fatia de 12,5%, hoje tem apenas 8,3%. Quem também anda perdendo terreno é o Jeep Renegade, cuja participação caiu 0,8 ponto percentual só em junho. #Automobilismo