O site do governo federal, #Portal Brasil, divulgou os primeiros dados oficiais da economia do país após o início do governo Temer, que começou dia 12 de maio após o afastamento de Dilma Rousseff.

O portal mostrou que o Indicador da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa), conseguiu chegar ao crescimento R$ 500 bilhões nesse ano. Tais resultados fizeram a Bolsa de Valores nacional subir e chegar aos 59 mil pontos, o que despencou o valor do dólar comercial e turismo. A queda do dólar colaborou para a redução do preço de alguns produtos importados, o que contribui para o crescimento da economia e desaceleração da inflação.

Após um período econômico conturbado e quedas constantes do Ibovespa, a expectativa de consumo das famílias voltou a crescer nos últimos três meses.

Publicidade
Publicidade

Para chegar nesse resultado, o atual Presidente da República precisou realizar algumas mudanças que impactaram na economia. Dentre essas mudanças está o corte de pessoal, realizado logo nos seus primeiros dias de gestão. Muitos cargos comissionados foram extintos e o número de ministérios foi reduzido. Ao todo, a extinção de 4.307 cargos trará economia de R$ 230 milhões por ano aos cofres públicos.

Além disso, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), precisou devolver R$ 100 bilhões de ativos para o Tesouro Nacional. O objetivo é conter a dívida pública, mas os financiamentos e demais serviços do BNDES não foram interrompidos, só teve os valores disponíveis reduzidos.

Ainda para conter a crise, #Michel Temer enviou uma proposta de emenda constitucional para o Congresso, a fim de limitar os gastos públicos por vinte anos, podendo haver discussões de mudanças na emenda somente a partir do décimo ano de sua vigência.

Publicidade

A proposta ainda não foi decidida ou discutida por uma comissão e precisa ser aprovada nas duas casas (Câmara e Senado).

Por fim, a Câmara aprovou a renegociação das dívidas dos estados e o Congresso autorizou uma nova meta fiscal, objetivando que o déficit fiscal de 2016 não ultrapasse os R$ 170,5 bilhões. #Melhora na Economia