Foi anunciada mais uma #Greve dos #bancários. Os funcionários das agências estarão em greve a partir desta terça-feira (06). A princípio, a greve é por tempo indeterminado. A última paralisação nacional da categoria, ocorrida no ano de 2015, durou 21 dias e conseguiram um aumento de 10%, ou um aumento real de 0,11%.

A categoria reivindica um reajuste no salário de 14,78%, o que equivale a um aumento real de 5%, se for considerado a inflação de 9,75% do período. Os bancos estão oferecendo 6,5% de reajuste, o que representaria uma perda de quase 3% se for descontada a inflação. 

Os sindicatos da categoria se reunirão nesta segunda-feira para se organizarem e montarem as estratégias da paralisação. 

De acordo com Juvandia Moreira, que é presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e também faz parte da coordenação do Comando nacional dos Bancários, os servidores estão unidos na decisão de greve e lutarão por um salário melhor e por condições melhores de trabalho.

Publicidade
Publicidade

Além do reajuste no salário, a categoria busca outros benefícios, como participação nos lucros e resultados no valor de 3 salários, mais R$ 8297,61. É buscado também um piso salarial de 3.940,24 reais; vale-alimentação e refeição; uma décima terceira cesta; o valor de um salário mínimo como ajuda para creche/babá; o direito a um 14º salário; ao fim das metas abusivas e também ao assédio moral; pelo fim das demissões; pela ampliação das contratações; pelo combate às terceirizações e pela precariedade nas condições de trabalho; por mais segurança nos bancos e por uma ajuda para educação. 

A categoria entregou a pauta contendo as #reivindicações no dia 09 de agosto. A Convenção Coletiva de Trabalho - CCT, vale para todo o território nacional. A data-base dos bancários é dia 01 de setembro. São cerca de 512 mil funcionários na categoria se for considerado o Brasil todo.

Publicidade

Segundo a Fenaban - Federação Nacional dos Bancos - se for somado o reajuste e o abono salarial, o ganho da categoria será maior que a inflação, se considerada a remuneração do ano, isso para a maioria dos bancários.