A vida do senhor Fidencio Sanchez, de 89 anos, nunca mais será a mesma depois que vendeu 20 picolés para um homem nas ruas de Stoughton, nos Estados Unidos.Seu Fidencio é um mexicano aposentando, que vende picolés a pelo menos vinte e três anos nas ruas da pequena cidade. Dois meses depois que ele se aposentou, sua única filha, que inclusive ajudava a sustentar a casa, faleceu.

A trágica morte da filha do idoso o obrigou a voltar a vender picolés para sobreviver.

Foi em um desses dias de trabalho que ele conheceu Joel Cervantes Macias, um empresário local. O homem comprou 20 picolés, e comovido com a coragem e motivação do ancião em trabalhar tendo aquela idade, ele decidiu pagar a mais, e deu U$50, um pouco mais de R$160.

Publicidade
Publicidade

Cervantes não parou por ai, fez uma fotografia do idoso vendendo picolés e publicou em seu perfil em uma rede social com uma legenda comovente."Esse homem poderia estar aproveitando sua aposentadoria, me partiu o coração ver isso".

A imagem gerou uma forte resposta. Por sugestão de um amigo, Macías criou então, na sexta-feira, uma página no site de #arrecadação de fundos GoFundMe, com o objetivo de arrecadar US$ 3 mil.

A meta foi alcançada em menos de uma hora. Até a manhã desta terça-feira, o total levantado já beirava aos US$ 250 mil, o equivalente a pouco mais de R$800 oitocentos mil reais.

Com essa quantia, o senhor Fidencio Sanchez não vai mais precisar ter que trabalhar pelo resto de sua vida.

A história comovente do idoso vendedor de picolés que acabou se tornando celebridade nos Estado Unidos por trabalhar ainda que esteja com uma idade avançada reflete também uma realidade vivida aqui no Brasil.

Publicidade

No final de 2015, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou uma pesquisa reveladora. Foi constatado que 12,6% de idosos voltaram ao mercado de trabalho em apenas 1 ano.

Os idosos acima de 60 anos figuraram na faixa dos 7% de empregados no país entre 2013 e 2014.

Apesar de o IBGE ainda não ter atualizado os números, estima-se que esses números tenham crescido, já que, a cada ano, mais idosos voltam ao mercado de trabalho, seja por necessidade ou até mesmo por opção. #solidariedade #Economia