Muito provável que até o dia 30 de setembro, a #Petrobras divulgue a venda da sua cadeia de gasodutos localizados no Sudeste do país, em um enlace que a corporação multinacional do Canadá, a Brookfield, está a frente para assumir esse contrato. O valor estimado para a venda desses ativos é de 5,2 bilhões de dólares. Até esse momento, essa é a maior negociação da estatal que constitui seus planos de desinvestimentos, para gerar capital de fundo para as operações em 2017.

Conforme foi apurado, essas transações já finalizaram e o comunicado dessa atividade 'consorcial' está dependendo apenas que os conselheiros administrativos da companhia a aprovem.

Publicidade
Publicidade

Essa negociação está sendo estruturada com o suporte do Santander Brasil, que também engloba o NTS, com seu ano de criação em 2015, feito a partir da divisão da TAG, que era a instituição que suplementava a estatal no controle das ramificações de gasodutos do Brasil.

Depois dessa divisão institucional, quem detém a rede do Sudeste agora é a NTS, ao mesmo tempo em que a NTN, conseguiu ficar com as gasodutos do Nordeste e Norte do Brasil.

A princípio, a BR cogitava em vender 81% da NTS, contudo, essa parcela foi ampliada  em meios as transações. Na visão estratégica da estatal, é importante permanecer com a sua parcela de presença na empresa, que é por onde passa uma fatia considerável da sua produtividade de GNV.

Até hoje, a Petrobras vem negociando e vendendo seus ativos que somam até o momento 4,6 bilhões de dólares, que engloba 49% da Gaspetro, de atividades em território chileno.

Publicidade

Na Argentina, sua parte da empresa é de 66% no campo de Carcará, em operações do pré-sal.

No final do mês de julho, foi informado que as transações com a corporação do México Alpek foram abertas de modo exclusivo para empresas do  grupo de derivados do petróleo de Pernambuco, e acabou mostrando um layout moderno de comercialização da BR Distribuidora, que prediz o comando em conjunto com a financiadora. 

Indagado pelo coro sindical da categoria, a Petrobras diz que a meta de seus desinvestimentos é reunir até o fim do ano quinze bilhões de dólares. #Empregos