As notícias econômicas e políticas do Brasil continuam a ser produzidas com uma velocidade estonteante. Agora é a vez da 1ª privatização a ser conduzida no governo do presidente Michel Temer, o que certamente desagradará em muito os representantes dos grupos políticos de raízes sociais e de esquerda, uma vez que o discurso defendido é que todo esse patrimônio a ser leiloado é a riqueza do país e, uma vez passado para frente, não poderá ser recuperado. Mas, enfim, de fato, o leilão da distribuidora de energia Celg-D, que atende o Estado de Goiás, a qual é controlada pela Eletrobrás, já tem previsão de data para estar acontecendo.

De acordo com informações veiculadas por Paulo Pedrosa, que é o atual Secretário-Executivo do Ministério de Minas e Energia, os seguintes grupos manifestaram-se publicamente com o objetivo de comprar a Celg-D: CPFL Energia, Enel, Neoenergia, Energisa e Equatorial Energia.

Publicidade
Publicidade

Anteriormente, era no mês de agosto que seria feito o processo do leilão para com a empresa de energia; todavia, na ocasião faltaram compradores para a oferta do novo governo brasileiro que assumiu o poder no Planalto Central e, por isso, a venda teve que ser adiada.

A alegação de Paulo Pedrosa justificando esse caso de desestatização é a mesma justificativa que será utilizada por Michel Temer nos demais casos que certamente se seguirão nos #Negócios do Brasil. “Será bom para os consumidores desses Estados, porque vai trazer investimentos para o país, no momento que mais precisamos de investimento e #Empregos”, reiterou Pedrosa.

O Secretário-Executivo do Ministério de Minas e Energia ainda disse que é graças a distribuidoras como a Celg-D que a qualidade dos serviços prestados ao se distribuir energia elétrica para a população é tão baixa, ou seja, em outras palavras, Paulo Pedrosa está sugerindo claramente que a venda de empresas como a de Goiás melhorará a qualidade dos serviços prestados no país.

Publicidade

A pergunta que alguns podem estar fazendo no momento é se a adoção de um sistema de gestão eficaz sobre recursos humanos e serviços poderia resolver o problema sem necessariamente ter de se vender a empresa. 

De qualquer modo, o edital da distribuidora de energia Celg-D tem previsão de ser liberado neste mês de outubro, sendo que o valor inicial da transação econômica é na casa de R$ 1,792 bilhões, ressaltando-se que essa quantia é R$ 1 bilhão menor do que o preço imposto no 1º edital que foi publicado. #Michel Temer