O Itaú comprou o Citibank, pelo menos a rede de varejo no Brasil, e pagou o valor de R$ 710 milhões. O banco revelou que já até assinou o contrato para tomar frente em relação aos negócios no varejo que são destinados aos clientes "Pessoa Física", estando incluso os depósitos, empréstimos, as agências, cartões de crédito e até a corretagem de seguros. O Itaú também passa a ter direito na TECBAN - Tecnologia Bancária S.A., assim como na Cibrasec - Companhia Brasileira de Securitização, sendo que na primeira passa a ter 5,64% do capital social e na segunda, 3,60%.

Atualmente o Citibank conta com 71 agências espalhadas por todo território nacional e já conquistou 315 mil clientes.

Publicidade
Publicidade

No final do ano passado o banco alcançou R$ 35 bilhões em ativos, 1,1 milhão de cartões de crédito e ainda os R$ 6 bilhões em carteira de crédito. A aquisição é de grande importância para o Itaú, não só para torná-lo ainda maior e mais rentável, mas serve para mostrar que a empresa está em ótima fase, mesmo diante da crise que assola o Brasil.

Em fevereiro desse ano o Citigroup chegou a revelar a intenção de vender o banco de varejo aqui no Brasil, mas as negociações com o Itaú correram em silêncio. Agora o Citigroup pretende se desfazer das operações também na Colômbia e até na Argentina, anunciando que a intenção da empresa agora é manter o foco nos clientes institucionais, procurando juntar recursos para garantir melhores retornos aos acionistas.

O Itaú Unibanco agora conta com R$ 1,4 trilhão em ativos.

Publicidade

O Bradesco, que briga de perto com o Itaú pelo primeiro lugar no Brasil, adquiriu o HSBC no ano passado por US$ 5,2 bilhões e a partir deste sábado (08) está fazendo a integração dos clientes, sendo que as agências do HSBC agora já começam a dar lugar à logomarca do Bradesco.

O Citigroup continua a atender os clientes de Corporate and Investment Banking, além dos Commercial Bank e também os Private Bank no Brasil.

Os clientes do Citibank, que agora passam a ser clientes do Itaú Unibanco, serão informados que poderão contar com serviços digitais diferenciados. A compra ainda terá que ter o aval do Banco Central e também do Cade. #Economia #Itaú #Finança