O presidente da República, Michel Temer, decidiu investir no micro empresário brasileiro. Em pronunciamento feito no Palácio do Planalto, Temer salientou que é um mito o pensamento das pessoas de que as micro e pequenas empresas são minoria, pois elas correspondem 95% das pessoas jurídicas cadastradas no país.

Além disso, o presidente da República também ressaltou que são as micro e pequenas empresas que contribuem com 52% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil. A importância desse ramo empresarial é tão grande para a #Economia nacional, que dados oficiais mostram que são elas as responsáveis por 52% dos empregos formais do Brasil e 41% da massa salarial dos trabalhadores brasileiros.

Publicidade
Publicidade

#Michel Temer objetiva recuperar a economia brasileira, fazendo o possível para que o Brasil volte a crescer economicamente. Para isso, já realizou inúmeros cortes, reduzindo ministérios e cargos públicos, bem como enviou várias propostas ao Congresso Nacional, para fazer o país crescer e definir gastos.

Como funciona o pacote de incentivos e quem pode usufruir

O pacote de estímulos econômicos do #Governo Temer prevê taxas até 30% mais baratas do que as praticadas no mercado, possibilitando que as empresas possam crescer e fazer financiamentos que beneficiem os interesses particulares (dos empresários) e coletivo (da economia nacional).

Os micro e pequenos empresários que podem participar do programa são qualquer empresa que possua uma receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões. Esses empreendedores terão linhas de créditos exclusivas para seus negócios.

Publicidade

Os valores obtidos devem ser usados em capital de giro, aquisição de matéria-prima, pagamento de impostos e fornecedores, modernização de equipamentos diversos e investimentos, dependendo sempre do ramo de atividade de cada empresa beneficiada.

A grande novidade é que os créditos não precisam ser solicitados somente nos bancos públicos: Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social). Os empresários também podem buscar o crédito no Bradesco, Itaú e Santander, maiores bancos privados do Brasil. A taxa de juros não é fixa e irá variar de um banco para o outro, mas com a diversidade de opções de instituições financeiras, cada empreendedor poderá pesquisar qual banco melhor atende ao seu negócio, seja em termos de créditos, condições ou taxa de juros pelo tempo escolhido para quitar o financiamento.

Por fim, o presidente também anunciou que uma iniciativa do Sempe com a Sebrae irá beneficiar os empresários que dependem das exportações, pois o sistema, que também conta com a parceria dos ministérios das relações exteriores, fazenda, desenvolvimento, indústria e comercio, irá desburocratizar esse processo.