O mercado de trabalho só vai apresentar sinais de melhora após o primeiro trimestre do ano que vem e a massa salarial só deve subir em 2018. Neste ano, os analistas projetam uma retenção de 3 por cento no Produto Interno Bruto (PIB), mas as atividades econômicas só devem melhorar em 2017 com a previsão de crescimento de 1 por cento no PIB.

O presidente Michel Temer afirmou em seu primeiro discurso que a redução do desemprego é seu maior objetivo. Para que isso aconteça, o governo aposta no Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) que tem como objetivo destravar as concessões, privatizações e parcerias público-privada de infraestrutura a fim de gerar mais renda e empregos.

Publicidade
Publicidade

Para os especialistas, a reação do mercado deve avançar em um primeiro momento para depois as empresas começarem a gerir #Emprego novamente, sendo que o custo para contratar ou demitir é alto. "Quando a atividade econômica começar a melhorar, as empresas vão preferir fazer horas extras com seus profissionais atuais, e quando não houver mais condição de atender à demanda, terão de contratar", explica o economista Luiz Fernando Castelli

Enquanto a recuperação ainda não acontece, o desemprego continua a subir e chegou ao pico de 12,4 por cento no término do primeiro trimestre deste ano, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD).“O mercado de trabalho não deve se recuperar este ano. As demissões e os cortes de vagas devem continuar nos próximos meses”, disse o Pesquisador da FGV, Tiago Cabral, à Exame.com.

Publicidade

“A taxa de desemprego sobe até o primeiro trimestre de 2017, depois começa a cair’’, completa.

O desemprego e a redução da renda da população geram uma retração na massa salarial do Brasil. Segundo estimativas feitas pelo Banco Santander, este ano a massa salarial somará 173,5 bilhões de reais, apresentando uma queda de 4,5 por cento em comparação a 2015, quando foi de R$ 183,58 bilhões. Para 2017, o banco prevê uma leve recuperação para R$ 177,4 bilhões e só em 2018 a massa voltará a atingir R$ 183,6 bilhões.

#Economia #Crise