O pastor Marcos Pereira da Silva, representa uma importante igreja, a Assembleia de Deus dos Últimos Dias. O nome dele ficou conhecido em todo o país não por conta das suas pregações, mas por conta de acusações de estupro. Recentemente, Marcos Pereira voltou a virar notícia por uma polêmica benção. Ele encontrou-se com o vice-governador do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, e deu uma benção a ele e à cidade maravilhosa, que está no meio de uma grave crise econômica.

Luiz Fernando Pezão, que reassumiu o posto após a luta contra o câncer, anunciou medidas de "austeridade", visando reequilibrar os cofres públicos. Entre elas, talvez a mais polêmica, a que envolve um desconto de 30% dos pagamentos dos aposentados. A medida ainda necessita da aprovação da Câmara Legislativa do estado. 

Quem informou que estava a abençoar o vice-governador foi o próprio pastor.

Publicidade
Publicidade

Através de uma conta no Instragram, ele publicou um vídeo em que mostra a benção dada ao político. Dornelles voltou ao cargo de vice na semana passava. "E agora me encontro em sua cidade São João Del Rey fazendo um lindo trabalho nos presídios com meus irmãos”, disse o pastor, que se mostra importante no meio político. 

Em 2013, o pastor foi preso acusado de ter cometido o crime de estupro. Na ocasião, a  acusação partiu justamente de uma fiel da igreja, que disse que era obrigada a ter relações sexuais com seu líder religioso. A justiça, através da segunda Vara Criminal de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, condenou o religioso a quinze anos de cadeia. O julgamento foi em primeira instância. Já no ano de 2014, o religioso conquistou o seu habeas corpus, pois a justiça entendeu que ele não oferecia perigo à sociedade.

Publicidade

O benefício foi dada pela mais alta corte do país, o Supremo Tribunal Federal (STF).

Além do crime de estupro, o religioso já havia sido acusado pelo crime de tráfico de drogas. Neste ano, ele foi absolvido dessas alegações em duas instâncias da justiça. Ele não se pronunciou sobre a nova polêmica da vez.  #Governo