A proposta da emenda constitucional (PEC) 241, elaborada pelo atual presidente do Brasil Michel Temer, deve passar no Senado com uma maioria de dois terços de aprovação e vai coroar um governo de despesas e de base subsequente, com orçamento de menos gastos, ajustando salários somente para a inflação ao ano a partir de 2017.

Temer promove a #pec 241 com base na redução do déficit orçamental, na esperança de que ele irá permitir um reembolso mais fácil de juros sobre a dívida do governo de montagem. O objetivo mais amplo desta alteração é recuperar e manter a confiança dos investidores estrangeiros, com a esperança de que eles venham a investir na #Economia brasileira, estimulando o crescimento econômico do país.

Publicidade
Publicidade

Esta estratégia visa manter a inflação sob controle e evitar uma futura crise, como dívida causada pelo aumento dos gastos governamentais, a fim de alcançar um crescimento sustentável na economia do país.

Temer aponta para a necessidade de recuperar a confiança dos investidores, certamente uma característica importante em uma economia, mas não toca no fato de que o consumo interno também ter caído significativamente desde 2010. Segundo especialistas políticos, é necessário examinar a desaceleração econômica do Brasil, a fim de avaliar o que a emenda PEC 241 não aborda. 

O aumento do consumo das famílias levou ao crescimento do setor formal e causou rendimento disponível real a crescer: com efeito, um ciclo virtuoso, taxa de juros nominal e atividade de consumo privado tiveram uma forte correlação com o crescimento econômico entre 2004 e 2010.

Publicidade

Em 2011, o governo "adotou algumas medidas para controlar o crédito ao consumo", porque a inflação estava subindo. Esta mudança de política resultou em uma diminuição significativa do crescimento do consumo privado até meados de 2012. Para compensar a queda no crescimento do consumo, o Banco Central reduziu a taxa de juros nominal. Esta política foi promulgada no final de 2011 e o Brasil viu um aumento nos níveis de consumo privado até 2013.

Em busca do aumento da confiança dos investidores estrangeiros e tentativa de controlar os déficits fiscais de Temer, a emenda tenta resolver outras questões-chave dentro da economia doméstica do Brasil. #Michel Temer