O Brasil começa a viver uma nova fase na #Economia interna, e o presidente Michel Temer já começa a surpreender a nação, com uma medida que poderá conseguir uma redução na taxa de desemprego. Você já deve ter ouvido falar, ou até mesmo lido algo, sobre o "Cartão Reforma". Como será que ele vai ajudar na economia do país? Ou, o que é mais interessante, como o Cartão Reforma irá funcionar realmente? Perguntas como essas, passaram a se tornar frequentes na web, desde que o presidente apareceu na TV falando sobre esse novo programa do Governo Federal.

Temer anunciou a criação deste cartão, que será basicamente uma linha de crédito de até R$5.000,00 (cinco mil reais).

Publicidade
Publicidade

O objetivo do programa é auxiliar a população de baixa renda na reforma de moradias.

Como se trata de uma linha de crédito, o valor será repassado como um empréstimo, no entanto, ainda não foram divulgadas as condições em que o #financiamento será liberado, como por exemplo, a faixa de renda necessária para se encaixar no programa, bem como a forma de pagamento deste financiamento.

O "Cartão Reforma" é muito parecido com outro programa já existente, o “Minha Casa Melhor”, que foi lançado depois das enchentes de 2010, em associação com o programa da reconstrução ligado ao "Minha Casa, Minha Vida". O “Minha Casa Melhor” também libera a quantia de R$5 Mil reais, mas apenas os beneficiários do "Minha Casa, Minha Vida", poderiam ser contemplados, diferentemente do "Cartão Reforma".

Apesar da semelhança, o novo programa traz mais uma novidade.

Publicidade

Mesmo que você já tenha sido contemplado no "Minha Casa Melhor", poderá também aderir ao "Cartão Reforma". Você só precisará estar dentro das regras exigidas pelo programa para que possa se enquadrar dentro das exigências. Pelo que já foi divulgado, a principal exigência será a renda mínima necessária.

A divulgação do novo programa já animou o setor de construção civil, que prevê um aumento significativo de empregos temporários, além dos comerciantes de materiais de construção, que acreditam no aumento das vendas. #Desemprego