Khalid aL - Falih, ministro de energia da Arábia Saudita revelou, nesta quinta-feira (22), que o reino pensou seu orçamento para 2017 em um ambiente conservador para os preços do #Petróleo, embora estivessem esperançosos de que os preços subissem e se mantivessem no ano que vem.

No entanto, nenhuma informação relativa aos preços que foram adotados para a base deste orçamento foram reveladas. As receitas de petróleo estão projetadas para crescer 46% para 480 bilhões de riyals (128 bilhões em 2017). E neste mesmo dia o reino ainda soltou a notícia de que prevê déficit orçamentário de US$ 52,8 bilhões de dólares para 2017. Por conta da ainda instabilidade do petróleo.

Publicidade
Publicidade

O ministro ainda acrescentou que o reino pretende manter e avançar ainda mais com seus projetos de desenvolvimento independentes do petróleo.

O petróleo para a Arábia Saudita neste ano e mudanças e seus projetos independentes

Todos sabem que a qualidade do petróleo da #Arábia Saudita é das melhores, por isso ele é um dos lideres em exportação e grande parte do mercado do petróleo depende de países como ele, entretanto até este ano este era "o único" produto que a Arábia Saudita exportava, era um de seus únicos ramos econômicos, pois lá, ao contrário de outros países, tem muito petróleo. Então quando o petróleo começou a ter granes quedas este ano, O país sofreu muito. Desde o ano de 2015, várias ações, por conta da oscilação do petróleo, estão sendo tomadas, como a abertura de ações em uma de suas maiores estatais, coisa que nunca tinha acontecido antes, a oscilação da relação com os EUA, o congelamento de sua produção de petróleo, até possíveis acordos com Rússia e Irã foram cogitados, algo que mesmo que firmados nunca chegam a ser cumpridos e com isso um "novo" mercado se abriu para o reino (por necessidade) o turismo.

Publicidade

Com esta abertura para outros ramos, a Arábia Saudita passou a ter outra fonte de renda, e por isso pôde optar por um preço conservador para 2017, ainda mais com o cenário que se formará em 2017, com Trump no poder. #Economia