A #Crise política e econômica existente no Brasil, com certeza, demorará para ser solucionada, segundo alguns especialistas. Como consequência deste evento adverso, temos altas taxas de #Desemprego. Empresas estão fechado as portas e causando várias demissões.

As empresas que não fecham são obrigadas a demitir, pois reduzir o quadro de funcionários é uma medida necessária nesse tipo de circunstância. Ao perder o emprego, é importante manter as contas em dia, até porque gastos podem surgir inesperadamente, e você não terá o seu salário mensal para cobrir as novas despesas.

Veja a seguir algumas dicas ideais para quem perdeu o emprego.

Publicidade
Publicidade

São truques simples, mas ideais para quem está à procura de um novo serviço.

Planejando

Gaste o mínimo - corte despesas desnecessárias, como televisão a cabo, ou outros serviços do mesmo gênero. Evitar esse tipo de gasto é essencial, pois o dinheiro economizado poderá ser gasto com outras despesas mais necessárias.

Faça "bicos"- os famosos bicos são serviços corriqueiros que são facilmente encontrados. Normalmente, eles são temporários, e podem ser úteis para quem está parado. Com este tipo de serviço, é possível adquirir uma boa grana, até que você consiga um emprego efetivo.

Reserva econômica - essa dica é ideal para quem ainda está empregado. A dica é simples: faça uma conta bancária e destine mensalmente uma boa quantia do seu salário a essa conta. Em um eventual desemprego poderá utilizar essa reserva para ajustar as contas.

Publicidade

Cuidado com o FGTS - não utilize o FGTS para pagar dívidas, principalmente as do cartão.

Cancele o cartão de crédito - Por falar em cartão, evite ao máximo ter um em pleno desemprego. O ideal é cancelar este tipo de serviço. O cartão é a principal causa de endividamento no Brasil, isso ocorre porque é tentador comprar algo caro, e pagar por este produto parceladamente. Porém, mesmo que este tipo de operação ofereça certas vantagens significativas, é importante mantê-lo afastado em época de crise e consequentemente desemprego. #Crise econômica