O governo federal anunciou, nesta quinta-feira (21), uma noticia que agrada muitos brasileiros que possuem contas inativas do #FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). Será liberado o saque desse recurso. O Ministério da Fazenda que a medida resultará na entrada de R$ 30 bilhões mercado. O trabalhador poderá sacar o valor total.

O governo considera que é uma boa iniciativa para todos, pois injetará #Dinheiro no mercado, alavancando a economia nacional. Para os trabalhadores que nem contavam de imediato em receberem esse dinheiro, poderá de certa forma “aliviar” o impacto financeiro vivido em decorrência da crise que atinge o Pais.

Publicidade
Publicidade

O saque é para o trabalhador que pediu para ser mandado embora da empresa por sua própria vontade. Quando ocorre esse tipo de situação, o dinheiro do FGTS do empregado fica retido em uma conta. Antes, uma das alternativas para sacar esse dinheiro seria o trabalhador ficar três anos sem carteira assinada, o que não é interessante nem para o empregado e nem para o empregador.

Outras opções são utilizar esse recurso para compra ou financiamento de imóvel pela Caixa Econômica Federal e caso de aposentadoria.

De acordo com uma fonte do governo, o rendimento do recurso do FGTS é muito baixo, sendo corrigido por TR (Taxa Referencial) mais 3% anualmente, se comparado com outras tipos de aplicações financeiras existentes no mercado.

Segundo foi informado, por motivos operacionais, o trabalhador não precisará comprovar a necessidade de quitação de suas dividas para como motivo para saque do FGTS.

Publicidade

No momento, todas as contas inativas totalizam um montante de cerca de R$ 40 bilhões.

Para o presidente Michel Temer, essa medida é de grande importância, pois nas normas atuais para o saque do FGTS, o trabalhador sofria enorme penalidade por ficar com seu dinheiro bloqueado, principalmente no cenário atual vivido no País, onde o consumo está fraquíssimo, com alto índice de inadimplência. O governo que os trabalhadores usarão os recursos sacados principalmente para quitar dívidas, que hoje somam quase de R$ 75 bilhões com as instituições bancarias.

O presidente também fez o anuncio da redução, de aproximadamente 50% nos juros rotativos dos cartões de crédito, além do parcelamento das dividas dos usuários inadimplentes na modalidade crédito. Os juros praticados hoje chegam a ultrapassar 400% ao ano.

Essas medidas, incluindo as mudanças nas leis trabalhistas anunciada, serão feitas através de Medidas Provisórias e enviada ao Congresso Nacional. #Empregos