O presidente brasileiro Michel Temer, na última quinta-feira (15), anunciou medidas para impulsionar a #Economia encolhida que se encontra em uma recessão prolongada. O Governo de Temer irá adotar uma série de medidas para reduzir a burocracia e aumentar a produtividade, oferecendo mais crédito do banco de desenvolvimento estatal BNDES para as pequenas empresas e reduzindo a papelada para a contratação.

O governo também está analisando medidas para reduzir o tempo que leva para conseguir a autorização para importações e exportações no país e estimular a compra da nova casa.

A administração está sob pressão para melhorar a economia encolhida do país e obter o déficit orçamentário sob controle.

Publicidade
Publicidade

O produto interno bruto contraiu 3,8% no ano passado e está previsto para encolher quase a mesma coisa este ano. Enquanto isso, a dívida nacional atingiu 70,3% do PIB em outubro assim como o déficit atingiu 8,8% do PIB.

O ministro das finanças, Henrique Meirelles, disse na última quinta-feira (17) que o governo vai tomar medidas para ajudar as empresas a prolongar o pagamento de alguns impostos em atraso, para permitir-lhes o acesso ao crédito e para realização de mais investimentos.

Meirelles também listou medidas para redução do custo suportado pelos credores em operações de crédito, na esperança de que a medida tornará as taxas de juros mais baixas. As medidas não incluem quaisquer subsídios e será promulgada nos próximos meses.

O anúncio foi feito apenas alguns dias após o Congresso aprovar os limites de gastos destinados a estabilizar a carga da dívida crescente e começar a trabalhar em uma ampla reforma do sistema de segurança social insolvente do país.

Publicidade

As mudanças impopulares provocaram, por vezes violentos protestos e contribuíram para a recente queda nos índices de aprovação de Michel Temer. Uma pesquisa recente mostrou que apenas 10% dos brasileiros entrevistados aprovam o seu governo e que 63% querem que ele renuncie o mais rápido possível.

Michel Temer substituiu em agosto a ex-presidente Dilma Rousseff, que foi deposta da presidência através de um processo de impeachment após graves acusações de violação das leis de orçamento fiscal. #Henrique Meirelles #Crise econômica