A classe trabalhadora queria mais, mas o salário mínimo ficou abaixo do esperado para 2017, e ainda ouve redução de R$ 8,80 no que era esperado para próximo ano. De acordo com decisão do atual presidente Michel Temer, o #Salário anunciado em maio, que seria de R$ 945,80, foi reduzido para R$ 937.

O brasileiro, que já está acostumado a viver com seu salário apertado, viu nesta quinta-feira a notícia de que o mesmo seria congelado e não acompanhará o crescimento da inflação para 2017 que será de 4,8%. De acordo com nota ao site G1, a justificativa do governo é de que a inflação considerada foi menor para o ano de 2016, o que significa que será um ano de mais economia no supermercado e no dia a dia.

Publicidade
Publicidade

O que muitos brasileiros já sabem é que o salário de hoje, que é de R$ 880 e passará a ser R$ 937, já valendo à partir janeiro de 2017. O que parece ser uma boa notícia, porém analisando-se os dados e estatísticas do #Governo, o salário aumentará em apenas R$ 57, e não será suficiente para cobrir a inflação de 2017.

O que os brasileiros não sabem é que o salário mínimo ao qual irão receber à partir deste domingo, seria o mesmo salário necessário para se viver com uma família no ano de 1999, mas o salário mínimo já tem um histórico desde 1994 quando o necessário para ser viver seria de R$ 728,90 e só era pago aos assalariados do país R$ 70.

O salário considerado necessário para um trabalhador viver bem nos dias de hoje seria de R$ 3.940,41, de acordo com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos (Dieese).

Publicidade

Se um brasileiro recebesse o valor correto, o que mudaria na vida de um trabalhador acostumado com o salário menor do que realmente deveria ser, se recebesse o seu salário considerando os valores atuais em quatro vezes o seu valor?

Curiosidade

A Lei Complementar 103, de 2000, deu aos estados a autonomia para decidir o valor do salário mínimo dentro de seus limites territoriais. Assim foi o caso de Paraná, do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Sul, de São Paulo e Santa Catarina que são os estados que ainda possuem uma tabela própria do reajuste do valor do salário mínimo e não seguem o valor instituído pelo Governo Federal.

Entenda um pouco mais sobre política do salário mínimo no vídeo logo a baixo: