A notícia divulgada nesta segunda-feira (5) evidenciou uma queda na obtenção de créditos relacionada as operações realizadas na #Economia estadual. Segundo análise do Boletim #sergipe Econômico o mês de outubro deste ano registrou a marca de R$18,1 bilhões, apresentando uma retração de 0,3% em contrapartida ao mesmo mês em 2015, tendo em vista que esse se configura o primeiro retrocesso desde 2004, constatando algo inacreditável baseada nesta relação.

As informações conforme a concessão de credito, no mês de setembro se apresentou em declínio. Verificando uma similaridade ao mês de outubro com um recuo de 0,9%. Todavia, mesmo com a baixa repentina observada, a quantidade de crédito liberado de janeiro a outubro de 2016 estabeleceu o valor de 2,8% em alta daquele inscrito no mesmo mês no ano passado.

Publicidade
Publicidade

Ao que consta o levantamento feito no mês de outubro verificou-se a seguinte distribuição por parte dos créditos adquiridas no Estado. A pesquisa informou que as movimentações feitas por pessoas físicas chegaram ao montante de R$ 12,4 bilhões, com um aumento de 44%, quando relacionado ao mês de outubro de 2015. Entretanto, quando se compara ao mês de setembro deste ano a aquisição do mesmo teve um recuo de 0,06.

Em contrapartida do mês de janeiro a outubro de 2016, a obtenção de créditos por pessoas físicas acelerou chegando ao percentual de 7,2% passando dos R$ 123 bilhões. O estudo indicou que a concessão de credito a pessoas jurídicas recuou 9, %, em comparação a quantidade de crédito adquirido em outubro do ano passado, movimentando o valor aproximado de R$ 5,7 bilhões. Todavia se comparado ao mês de setembro, quando a perda foi de 1,7%

O levantamento também constatou que os dez primeiros meses deste ano, o montante de crédito liberado para as empresas de Sergipe retrocedeu 5,1% em contrapartida ao tempo formal do ano de 2015, resultando no aumento da taxa inadimplência no tocante os movimentos e créditos referentes a demora no pagamento com mais de 90 dias de atraso.

Publicidade

Outubro foi o mês que ocorreu maiores atrasos chegando a 4,57% a taxa correspondente a inadimplência das empresas e 4,45% a taxa de inadimplência das pessoas físicas e 4,83% a pessoas jurídicas. #Dinheiro