Eliseu Padilha, ministro-chefe da Casa Civil, na semana passada, durante uma visita a Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, anunciou que os saques das contas inativas do #FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) já têm data marcada, e serão a partir de 13 de março até 14 de julho. Segundo o ministro, para os trabalhadores beneficiários fazerem o saque deverão obedecer a critérios impostos pela Previdência Social e pela Caixa Econômica Federal, e ainda ratificou que os beneficiários poderão fazer o saque do valor total arrecadado em seu FGTS, ou seja, não haverá limites do valor do saque, como se havia divulgado anteriormente..

Publicidade

Publicidade

Milhões de beneficiados

O governo calcula que o número de pessoas beneficiadas serão cerca de 10,2 milhões. Calcula-se ainda que apenas 14% das pessoas possuem mais que um salário mínimo arrecadado para o saque. Apesar da grande parte dos trabalhadores receberem apenas um salário mínimo, o governo acredita que essa medida de liberar o FGTS pode ajudar a reavivar a #Economia brasileira que, desde 2016, sofre um desaceleração imensa, acompanhada ainda de um grande aumento no número de desempregados. Esse dinheiro vai vir em boa hora para os cidadãos brasileiros. Muitos poderão contar com esse dinheiro para quitar suas dívidas.

Sem limites para saques

Segundo o ministro, a Caixa Econômica Federal chegou a sugerir que houvesse limites de saques do FGTS, já que alguns montantes a serem recebidos são de alto valor, e segundo a diretoria do banco, não ajudaria na movimentação da economia.

Publicidade

No entanto o próprio presidente da República, Michel Temer, se impôs à proposta, determinando que seria realmente possível o saque sem qualquer limite pré-estabelecido.

Mas afinal, o que são contas inativas do “Fundo de Garantia”?

Uma conta inativa é aquela onde você recebeu o FGTS de um contrato de #Trabalho que foi finalizado.

Consulta do saldo do FGTS

Pode ser feita pelo site da Caixa Econômica Federal, através do aplicativo de celular do mesmo banco, ou ainda, pessoalmente, numa agência da Caixa.