Os recursos das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (#FGTS) começam a ser liberados a partir de março, informou o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, durante visita à Porto Alegre, nesta sexta (20).

Contas inativas são aquelas que deixaram de receber depósitos após desligamento do funcionário da empresa.

A Caixa Econômica Federal espera que os pagamentos sejam realizados até o mês de julho. O calendário de saques deverá seguir o mesmo modelo de pagamento do PIS (Programa de Integração Social), baseado no mês de aniversário do trabalhador. Segundo Padilha, o cronograma proposto pela instituição foi aprovado pelo presidente #Michel Temer (PMDB).

Publicidade
Publicidade

Temer negou, nessa quinta-feira (19), que haja alterações em relação ao anúncio que fez mês de dezembro, sobre a liberação total dos recursos de contas inativas. O presidente afirmou que não irá impedir nem impor um teto para a retirada do dinheiro como foi noticiado pela imprensa.

Todo o valor disponível na conta poderá ser sacado para qualquer finalidade.

Antes do anúncio da medida, a retirada de contas inativas do Fundo de Garantia só era permitida para o trabalhador que estava desempregado há pelo menos três anos.

Ao menos 10,2 milhões de trabalhadores poderão retirar o dinheiro, estima o governo. A soma final é de R$ 42 bilhões de reais. O governo avalia que entre 70% e 73% das pessoas procurem as agências da Caixa Econômica para receber o dinheiro.

O saldo atual do FGTS é de R$ 380 bilhões, esse valor é usado pelo governo para investimentos em áreas como saúde e educação.

Publicidade

Para defensores da medida os saques não causarão impacto significativo nesses investimentos.

A Caixa propôs que fosse estipulado um teto de 10 salários mínimos para saque, hoje na ordem de R$ 937 reais, porém, Temer decidiu que não iria restringir os valores.

Alguns setores da #Economia como construtoras, afirmam que entre 2% e 3% das contas detêm valores muito altos e que esses recursos não seriam injetados na economia, e sim aplicados em outros investimentos com maiores rendimentos.