A taxa mundial de #Desemprego deve atingir 5,8% em 2017, representando um aumento de 3,4 milhões de pessoas desempregadas em todo mundo, segundo o relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) – órgão ligado a ONU -, divulgado recentemente.

Para este ano, a OIT estima que o número de pessoas sem emprego em todo mundo atinja mais de 201 milhões. O aumento deve ser reflexo dos desafios no mercado de trabalho enfrentados pelos dos países da América Latina e do Caribe. Somente no #Brasil, onde a crise econômica ainda é instável, o relatório alertou que serão mais de 13,6 milhões de desempregados.

“Estamos enfrentando um desafio duplo: reparar os danos causados pela #Crise econômica e social mundial e criar empregos/trabalhos de qualidade para as dezenas de milhões de pessoas que entram no mercado de trabalho a cada ano”, afirmou o diretor-geral da OIT, Guy Ryder, em nota oficial da ONU.

Publicidade
Publicidade

Ainda de acordo com Ryder, o crescimento econômico segue menor do que o esperado, o que para ele, delineia um quadro preocupante para a economia mundial.

Desemprego no Brasil

A situação no cenário do mercado de trabalho brasileiro continua preocupante.

Segundo última pesquisa divulgada pelo IBGE, de setembro a novembro, o número de desempregados em 2016 já era de 12,1 milhões de pessoas, número 33,1% maior que no mesmo período do ano anterior.

Já neste ano, o OIT aponta que este percentual alcance a 12,4%, o que inclui mais de 1 milhão e 200 mil pessoas sem emprego no Brasil. Esta taxa representa mais que o dobro da média dos demais países emergentes (5,7%).

O presidente Michel Temer também afirmou na última segunda-feira (15), em entrevista à Reuters, que o desemprego é maior preocupação do governo.

Publicidade

Apesar recuperação econômica do país, o presidente indagou que a retomada das contratações trabalhistas pode demorar.

Enquanto isso, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) alertou para uma iniciativa global de estímulo fiscal e investimentos para alavancar a economia mundial como um todo e reduzir o desemprego.