O #governo federal anunciou, nesta quinta-feira, 16 de fevereiro, o aumento do teto para compra de imóvel com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) através do SFH (Sistema Financeiro de Habitação), que era de R$ 950 mil nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, e de R$ 800 mil nos demais estados do país, para R$ 1,5 milhão em todos os estados. A medida foi confirmada em entrevista à Globo News, pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

É muito importante destacar, que, essa alteração será somente para os imóveis financiados entre 20/02/2017 até o dia 31/12/2017, e apenas para imóveis novos, imóveis usados ficarão de fora.

Publicidade
Publicidade

Veja o que diz um especialista

Armando Moraes, advogado e especialista em direitos bancários e civis, diz para os consumidores ficarem atentos e analisarem criteriosamente suas rendas antes de concluírem um contrato financiado. Moraes comenta também que exista uma diferença entre quem compra um imóvel de R$ 800 mil, e quem compra um imóvel de R$ 1,5 milhão, e, dependendo das condições do comprador, pode ser um bom negócio ou não.

Sobre as mudanças

As taxas de juros aplicadas ao SFH (Sistema Financeiro de Habitação), são mais baixas em relação a outros tipos de transações imobiliárias, com limite máximo de juros de 12% ao ano.

Essa manobra do Governo Federal tem como principal objetivo reaquecer a construção civil, que nos últimos 02 (dois) anos, sofreu com uma baixa representativa, mais de 776 mil pessoas perderam seus empregos somente neste setor em todo território nacional.

Publicidade

Meirelles disse também que, a classe média será a principal beneficiada com a medida, que facilitará a compra da casa própria, e os recursos poderão ser sacados de #Contas Inativas, e de contas ativas também.

Limites de teto

O último aumento do teto de financiamento, através de recursos do FGTS, aconteceu em novembro de 2016, que até então, desde 2013 não sofria nenhuma alteração. Na época, o limite que era de R$ 750 mil, passou a ser de R$ 950 mil. #Fundo de Garantia