O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, nesta quarta-feira (22), cortar, pela quarta vez seguida, a taxa básica de juros, a #Selic. Desta vez, com redução de 0,75%. Portanto, a Selic de 13% caiu para 12,25% ao ano, considerado o menor nível desde o início de 2015.

A decisão ocorreu conforme já era esperado por vários economistas, uma vez que a redução já vinha ocorrendo desde o final de 2016. Logo após a decisão do Copom, alguns bancos brasileiros anunciaram a redução dos juros em suas linhas de crédito.

Entenda a dinâmica dos juros com a inflação

Vale ressaltar que os juros básicos, a Selic, são usados pelo Banco Central para controlar a inflação no país.

Publicidade
Publicidade

Quando a inflação está em um patamar alto, o BC eleva os juros para que haja queda no consumo e assim pressione para que os preços a caiam. Já quando a inflação está baixa, o Banco Central reduz os juros para induzir o consumo. Sabe-se que com maior consumo há um estímulo no ambiente econômico.

A redução juros ocorreu após o governo federal tomar recentemente a iniciativa de limitar o uso do rotativo do cartão de crédito a 30 dias. Após a decisão do Copom, bancos brasileiros anunciam redução de suas taxas de juros.

Três importantes bancos, do Brasil, Itaú e Bradesco, anunciaram que irão reduzir as taxas de juros de algumas de suas linhas de crédito. O Banco Itaú comunicou que irá repassar de forma integral o corte de juros de 0,75% para suas opções de crédito para o consumidor e para pessoa jurídica.

Publicidade

No Bradesco, a menor taxa de juros do crédito pessoal foi reduzida de 1,89% para 1,83% ao mês. A taxa máxima passou de 7,72% para 7,66% ao mês. Segundo o banco, as novas taxas vão valer a partir do mês de março.

O Banco do Brasil informou que irá reduzir suas taxas de juros com maior ênfase para ao setor de financiamento imobiliário, cheque especial e oferta de crédito consignado. Também no caso do BB, as novas taxas entram em vigor a partir do mês de março.

Estas decisões, que começaram com o Banco Central, vão beneficiar o consumidor por poder comprar com juros menores, irão estimular o consumo e incrementar a economia do país, num momento em que o cenário mostra ser de recessão. Porém, sinais de recuperação já são percebidos. #Economia