O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) vai liberar um total de R$ 2,56 bilhões para a construção de uma linha de transmissão que levará energia da Usina Hidrelétrica de #Belo Monte, que se situa no Pará, para a região #Sudeste.

O total do valor será investido por meio de um financiamento de longo prazo, incorporando, inclusive, um empréstimo já realizado para essa obra em 2015, no total de R$ 718 milhões. Os valores serão quitados dentro desse financiamento. O anúncio foi feito na última segunda-feira (20), pelo #BNDES, em um esforço do governo federal em voltar a ser indutor do desenvolvimento em projetos de infraestrutura.

Publicidade
Publicidade

A Belo Monte Transmissora de Energia SPE S/A (BMTE), empresa responsável pela usina, será a beneficiária do financiamento de longo prazo. Com 51% das ações, a chinesa State Grid controla a empresa - que também possui capital brasileiro - através do Grupo Eletrobrás e suas subsidiárias, Eletronorte e Furnas Centrais Elétricas.

O projeto da linha de transmissão prevê a construção de 2.092 km de uma ligação, que sairá do Pará e atravessará Tocantins e Goiás, até chegar em Minas Gerais. Os cabos passarão por 65 cidades nesse percurso. Está prevista também a implantação de duas subestações conversoras, uma no Xingu (Pará) e a outra em Estreito (Minas Gerais).

Para a realização do projeto, o orçamento levantado foi de R$ 5,6 bilhões, sendo que 46% desse montante virão do banco público brasileiro.

Publicidade

Desse total, R$ 1,68 bilhão será repassado diretamente e R$ 875 milhões serão direcionados pela Caixa Econômica Federal. Ainda é possível uma nova investida de verba no projeto, de R$ 520 milhões, caso necessário.

Usina tem recebido muitos investimentos do BNDES

O BNDES tem sido um grande parceiro no projeto da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Para a construção da usina, o banco aprovou, em 2012, um financiamento de R$ 22,5 bilhões para o empreendimento, que está sendo elaborado no rio Xingu. Esse montante corresponde a aproximadamente 80% do custo total da obra, estimada em R$ 28,9 bilhões.

De acordo com o próprio banco público, foi o maior empréstimo do BNDES para a realização de um único projeto. Para se ter uma ideia do investimento audacioso, o maior, até então, era de R$ 9,7 bilhões, para a construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

Não é para menos todo esse aporte. Quando estiver em pleno funcionamento, a usina será a terceira maior do mundo em capacidade instalada, ficando atrás apenas da usina de Três Gargantas, na China, e de Itaipu, localizada na divisa do Brasil com o Paraguai. Com 24 turbinas de geração, Belo Monte poderá produzir energia para abastecer, por exemplo, as regiões Nordeste e Sul, ao mesmo tempo.