Depois de dois meses de espera após a divulgação de que o #Governo federal liberaria o #FGTS inativo para saque, parece que finalmente as datas do calendário de saque do fundo serão divulgadas. A divulgação está prevista para amanhã, dia 14. Quer saber se você terá direito ao fundo? Então confira abaixo.

Publicidade

Quem tem direito ao saque do FGTS?

O Governo Federal decidiu em dezembro de 2016 que liberaria o valor do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço para contas que foram desativadas até 31/12/2015. A liberação dos valores é mais uma tentativa do governo de fazer a economia girar e contornar a crise econômica que assola o país.

Publicidade

Estima-se que cerca de 40 bilhões de reais serão liberados dos cofres públicos para o pagamento de mais de 10 milhões de contribuintes.

Caso o contribuinte tenha mais de uma conta inativa, poderá realizar os saques de todas elas desde que preencham o pré-requisito da data citada acima. O Fundo também será liberado para contribuintes que sofreram com as fortes chuvas no estado de Santa Catarina e Rio Grande do Sul em dezembro do ano passado e janeiro deste ano.

Calendário de saque

Para os contribuintes que não aguentam mais esperar a divulgação do calendário, a boa notícia é que ele será divulgado pela Caixa Econômica Federal amanhã. O calendário do benefício que geralmente é divulgado anualmente em janeiro acabou levando mais tempo para sair pelo fato desse ano o FGTS abranger um público bem maior. Como ocorreu nos anos anteriores, a expectativa é que o benefício seja liberado tendo por critério o mês de nascimento do contribuinte.

Publicidade

Os saques só terão início em março.

Como sacar o FGTS?

Para sacar o benefício, será necessário se dirigir à Caixa Econômica Federal na data estipulada pelo calendário do FGTS, munido de uma documento de identidade oficial, CPF, carteira de trabalho e senha cidadão. Se tiver um cartão cidadão, o processo ainda é mais simples. Os valores poderão ser sacados integralmente. Quem preferir, pode simplesmente manter o dinheiro na Caixa Econômica. #Desemprego