A #viticultura brasileira ocupa, atualmente, área de 81 mil hectares, com vinhedos desde o extremo Sul até regiões próximas à Linha do Equador, de acordo com informações do Ministério da Agricultura.

O país se consolidou como o quinto maior produtor da bebida no Hemisfério Sul, e certamente é um dos mercados que cresce mais rapidamente no mundo. Sua produção vem de pequenas propriedades, com aproximadamente 2 hectares, dedicados ao cultivo com produção de vinhos de mesa ou artesanais.

Segundo o Instituto Brasileiro de #Vinho (Ibravin), houve um aumento de 2006 a 2015 de cerca de 2 milhões de litros de vinho tinto fino produzidos em empresas do Rio Grande do Sul.

Publicidade
Publicidade

Enquanto a produção do vinho tinto de mesa houve uma queda durante o mesmo período, de 28 milhões.

Para a Ibravin, vê como um dos principais motivos para a queda do vinho de mesa a redução da comercialização de granel e a venda de engarrafados. Outro fator que influenciou neste quadro foi a maior destinação das variedades de uvas americanas e híbridas para a elaboração de suco de uva.

De acordo com o Instituto, em 2010, foram vendidos 37 milhões de litros de sucos de uva prontos para o consumo. Em 2015, foram 117,7 milhões. No ano de 2016, em função da quebra de safra de 57% e da crise econômica, esses números não deverão se repetir.

Uva exportada

No agronegócio da uva, dos vinhos e dos espumantes temos significativos ganhos em qualidade. Isso significa melhoria na qualidade de vida para milhares de pequenos produtores de frutas, não só do Sul, como também no Vale do Rio São Francisco, áreas responsáveis por 95% das exportações nacionais de uvas finas de mesa.

Publicidade

Engana-se quem pensa que apenas a tradicional região Sul hoje concentra a produção nacional.

O Brasil tem produzido espumantes de qualidade internacional e ganhando prêmios na Europa. Agora foi criado o Selo Brasil Espumantes. Segundo site da Ibravin, atualmente, 80% dos espumantes consumidos no Brasil é nacional. No ano passado, o crescimento da venda de espumantes foi de 15% maior do que em 2014. #exportação