África do Sul, China, Coreia do Sul, Chile e os países que compõem a União Europeia decidiram suspender temporariamente a compra de carnes produzidas no Brasil, após a divulgação dos resultados da Operação Carne Fraca, que detectou um esquema de "maquiagem" de produtos para burlar a fiscalização sanitária.

A #suspensão das importações por alguns dos principais parceiros comerciais do Brasil pode trazer sérios prejuízos ao agronegócio brasileiro, principalmente ao setor de produção, abate e processamento de carnes de origem animal.

Os países da União Europeia exigiram do Brasil a suspensão temporária das exportações das empresas que estão envolvidas nas denúncias feitas pela Polícia Federal.

Já a Coreia do Sul deverá intensificar as ações de fiscalização da carne de frango importada do Brasil.

Publicidade
Publicidade

O país anunciou a suspensão temporária da compra de produtos da #BRF, conglomerado que inclui marcas como Perdigão e Sadia.

Na China, as suspensões servem como precaução, segundo informou a Agência Reuters. Todos os produtos do setor que chegarem ao país ficarão retidos nos portos.

No Chile, o embargo está relacionado à carne bovina e deverá ser mantido até que a situação seja esclarecida pelos frigoríficos que mantêm transações comerciais com o país e pelo governo brasileiro.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento emitiu uma nota informando que prestará todos os esclarecimentos necessários aos países que suspenderam as importações.

Indústria teme colapso

De acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), a comercialização de carnes para a China, Coreia do Sul e países da União Europeia responde por 27,8% do total de exportações do setor, atingindo US$ 3,67 bilhões em 2016.

Os empresários do setor temem que os problemas causados por um número reduzido de frigoríficos prejudiquem a atividade de toda a cadeia de atividades de toda a indústria.

Publicidade

Por meio de nota, a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (ABIEC) ressaltou que nenhuma das fábricas de carne bovina de seus 29 associados está citada nas denúncias citadas na operação #Carne Fraca, da Polícia Federal. "Os casos que vieram a público por meio da Operação Carne Fraca são isolados e não representam a imensa cadeia produtiva de carne bovina no Brasil", diz um dos trechos do documento.

A instituição afirma que o Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina e os produtos exportados são reconhecidos pela qualidade e status sanitário. "A Associação repudia veementemente a adoção de práticas que não condizem com a garantia da qualidade do produto nacional e da credibilidade da indústria brasileira", prossegue a nota expedida pela ABIEC.