O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que se for aplicada uma redução da idade mínima para a #aposentadoria das mulheres, consequentemente, o sistema da Previdência Social terá ter compensar o desequilíbrio através da elevação da idade mínima para os homens.

Em uma situação hipotética em que as mulheres trabalhadoras pudessem se aposentar aos 60 anos, por conseguinte, a idade mínima para os homens subiria para 71 anos, de acordo com o ministro. É um aumento de seis anos em relação atual proposta de #Reforma da Previdência Social que está em tramitação no Congresso Nacional, que prevê a idade mínima de 65 anos para ambos os sexos.

Publicidade
Publicidade

Uma das maiores justificativas para a redução que beneficiaria as mulheres, apoiada principalmente pela oposição, é que elas cumprem dupla jornada, isto é, ao mesmo tempo em que exercem atividades laborais fora de casa, também se encarregam das tarefas domésticas.

Contudo, não longe das discussões, a idade unificada para o recebimento do benefício de 65 anos ainda está sendo um dos pontos mais polêmicos na queda de braço entre o Planalto e os parlamentares.

Os deputados federais e senadores já sinalizaram que querem alterar a proposta. Inclusive, membros da base aliada já mostram sinais de dissidência. Apesar da falta de trégua, Meirelles reitera que a elevação da idade mínima não causará o impacto necessário para assegurar o equilíbrio nas contas públicas, sendo, aliás, um risco maior para alguns Estados brasileiros, pois a idade de 71 anos estaria próxima da expectativa de vida média dos brasileiros.

Publicidade

Transição

O ministro da Fazenda também destacou que caso houver a expansão da faixa etária abrangida pelas regras de transição, o custo maior seria coberto pelos mais velhos. Atualmente, a regra de transição está estipulada em 45 anos de idade para mulheres e 50 para homens, de modo que ainda se arquiteta um pedágio, no qual os trabalhadores terão de trabalhar mais 50% do total restante para se efetivar a aposentadoria.

Lava Jato

Meirelles garante que o fato de vários deputados estarem envolvidos nas investigações da Operação Lava Jato não irá atrapalhar o cronograma para a votação da reforma.

Apesar da otimismo, o país aguarda a divulgação da lista de da Procuradoria Geral da República, que, fundamentada nas delações de executivos das grandes empreiteiras, trará à tona novos nomes a serem investigados. Dentre eles, a possibilidade é de que estarão vários deputados e senadores. #Brasil