Sem afetar a Páscoa deste ano, o Brasil precisa se preocupar com a próxima. Em busca de melhorar a economia e diminuir os custos, o ovo de chocolate pode sofrer aumentos por causa de sua matéria-prima, o #cacau. A necessidade de importar a amêndoa, pela produção nacional ter sido pela quarta vez fraca, faz o setor do chocolate sofrer com Gana sendo o único país autorizado pelo governo a exportar o fruto para o Brasil.

A #ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) está em busca de novos parceiros para diminuir o valor por quilo do cacau que chega ao país. “Nosso posicionamento é claro em favor do desenvolvimento do setor.

Publicidade
Publicidade

A importação de insumos, diversificando os mercados de modo sistêmico, não apenas em momentos emergenciais, é uma possibilidade de avanço”, disse Guto Ferreira, presidente da agência recentemente em evento sobre a Páscoa, em São Paulo.

Queda na produção

Os números da produção de 2016 teve redução de 34% em relação a 2015, dados que preocupam o setor agroindustrial. O aumento no custo para as empresas produtoras de chocolate foi de 17%, segundo as empresas do setor. Os gastos chegam a mais de US$ 400 milhões, como explica Guto Ferreira. “As importações do setor passaram de US$ 375 milhões em 2015 para quase US$ 440 milhões em 2016, alta de 17%”.

O Brasil pode continuar importando da África. A Costa do Marfim é grande produtor de cacau e espera um aumento de 17% na produção já nesta safra de 2017, segundo o Ecobank.

Publicidade

O país divulgou corte nos preços no último mês saindo de US$ 1,80 para US$ 0,49 por quilo, o que ajudaria em muito os produtores brasileiros tanto nos serviços quanto nos custos. Já Gana pretende continuar com o seu preço atual. Porém, alguns economistas esperam que seja reduzido o valor para o país africano se tornar competitivo no mercado.

Empregos

As grandes fábricas e lojas de chocolate na época de Páscoa geram mais de 25 mil empregos. Em tempos de alta do desemprego, ter opções para desenvolver serviços é essencial.

“É bom lembrar que a cadeia produtiva do chocolate é vasta e com grande valor agregado, geradora de empregos na indústria e, sobretudo, importante capilaridade no setor varejista”, diz o presidente da Abdi.

Na última Páscoa, a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (#Abicab) divulgou pesquisa sobre o interesse do consumidor em comprar ovos de chocolate. Mais de 50% dos entrevistados queriam presentear familiares e amigos.