Não é novidade que o #cartão de crédito é o vilão do endividamento das famílias brasileiras. A facilidade que as lojas e comércio dão para as #compras no crédito muitas vezes faz os clientes terem uma falsa ilusão de que têm dinheiro sobrando ou que a compra não é tão cara, pois o valor parcelado fica muito atrativo.

Como uma bela jogada de marketing, a loja coloca o valor parcelado em destaque, enquanto o valor total fica muitas imperceptível aos olhos desatentos. Se fosse apenas uma compra não haveria problema algum, mas o que acontece na realidade é que as pessoas não ficam em apenas uma, são várias compras parceladas.

Publicidade
Publicidade

No final, o saldo dessas contas fica bem "salgado".

Tudo se resolveria se com um simples planejamento financeiro. Porém, em um país como o Brasil, onde grande parte da população não tem acesso a um ensino de qualidade, é difícil se esperar que as pessoas compreendam ou pensem em ter um planejamento.

Não é de se espantar que em janeiro 55,6% das famílias possuíam algum tipo de dívida. Diante deste cenário, as operadoras de cartão de crédito oferecem inúmeras opções para pessoas endividadas, como pagamento mínimo, parcelamento da fatura e parcelamento total.

O pagamento mínimo da fatura do cartão de crédito também é chamado de crédito rotativo. Esse tipo de crédito é recomendado para as pessoas que irão quitar toda a dívida do cartão na próxima fatura. Caso contrário, ao realizar apenas o pagamento mínimo, resultará em uma dívida muito alta.

Publicidade

Com as novas regras para o crédito rotativo, o consumidor que não conseguir fazer o pagamento integral de sua fatura do cartão de crédito poderá fazer o pagamento mínimo de 15% apenas por um mês. Na fatura seguinte, ele não poderá repetir o processo, pois o banco é obrigado a oferecer uma linha de crédito para que o consumidor parcele a dívida.

Por isso, o mais recomendado para quem optou ou pensa em optar pelo crédito rotativo e não irá conseguir pagar o valor total da fatura, é escolher uma opção de crédito com taxa de #Juros menores, como o empréstimo pessoal. O cliente se livra da dívida do cartão de crédito e dá um alívio para o bolso com parcelas menores.

O parcelamento da fatura do cartão de crédito é uma das opções para quem não tem dinheiro para pagar a dívida. Esta operação está sujeita a disponibilidade.

Então, é preciso entrar em contato com o banco para saber se está disponível esta opção e quais são as condições de parcelamento. Muitas das operadoras de cartão enviam junto com a fatura uma simulação de parcelamento.

Publicidade

Essa opção é interessante para quem quer controlar o orçamento, pois, quando se opta pelo parcelamento do cartão de crédito, já sabe quanto deve ser pago e por quanto tempo.

Vale ressaltar que no caso de parcelamento da fatura, o cartão de crédito não fica bloqueado, mesmo que se tenha feito a negociação da dívida do cartão de crédito. Conforme as parcelas forem sendo pagas, o limite do cartão de crédito vai sendo liberado.

É preciso ter em mente que ao parcelar a fatura atual do cartão, no próximo mês terá de pagar o parcelamento da fatura e os demais parcelamentos ativos, o que pode se tornar um inconveniente e um problema financeiro, visto que a próxima fatura pode vir com valor muito alto e será preciso recorrer a um novo parcelamento, que resultará em mais juros e aumento da dívida.

Uma solução muito interessante seria o parcelamento total da fatura oferecido por alguns bancos. Esse tipo de parcelamento é melhor que o anterior, pois a pessoa tem chance de colocar em ordem suas finanças.

Nesse tipo de crédito é feito o parcelamento de todo saldo devedor do cartão, em parcelas fixas e mensais. No geral, os juros cobrados pelas financeiras são extremamente altos. É recomendado cautela e prestar atenção no valor total a ser pago, quanto maior o prazo, maiores serão os juros.

Conclusão: a melhor saída é cortar gastos, fazer um planejamento financeiro adequado. As compras com cartões de crédito precisam ser controladas, pois levam um grande número de consumidores a se atolarem em dívidas.

As opções de pagamentos das operadoras de cartão não são as melhores alternativas para quem possui uma dívida muito alta, já que os juros cobrados são exorbitantes, de forma que o ideal é encontrar soluções para se livrar dela. Caso as contas tenham saído do controle, o mais correto é inutilizar o cartão e negociar a dívida com a administradora do cartão. A saída mais adequada é procurar o gerente do banco e pedir um empréstimo pessoal, cujos custos são menores.