No próximo domingo comemora-se o ‘#dia das mães’. A data é a segunda mais importante para o varejo nacional, perdendo apenas para o Natal.

Segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), sete em cada 10 brasileiros pretendem comprar presente

De acordo com as estimativas, mais de 109 milhões de brasileiros devem presentear e injetar cerca de R$ 14 bilhões nos setores do comércio e serviços.

Roupa lidera na hora de presentear

Neste ano, 26% dos consumidores irão optar em presentear as mamães com roupas, seguidos por perfumes (20%), calçados (11%), cosméticos (8%) e flores ou chocolates (7%).

Publicidade
Publicidade

Como era de esperar, em razão do momento econômico do Brasil, os smartphones e eletrodomésticos tem apenas 5% da preferência.

Quem quer gastar pouco e dar um bom presente, as outlets são boas opções para #compras.

Segmento Plus Size

Outro segmento que cresceu nos últimos anos, o #plus size também tem um bom espaço nas vendas para o Dia das Mães.

A estilista da empresa Cor de Jambo, do Guarujá, litoral paulista, Juliana Torrette, acredita que neste ano as vendas aumentem em 20% em relação ao ano passado.

Vale ressaltar que uma pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que 60% da população brasileira está acima do peso e mais de 17% são obesos.

Sebrae confirma varejo da moda

Em outra pesquisa feita pelo Sebrae, 17% das lojas do varejo da moda do Brasil vendem roupas em tamanho grande, mas apenas 3,5% delas são especialistas em moda plus size.

Publicidade

Por este motivo, o mercado plus size se tornou um bom canal para investimento das indústrias de confecções.

O mercado de modelos neste segmento também aumentou nos últimos anos.

Em números, o plus size movimentou mais de R$ 5 bilhões em 2016, mesmo com a concorrência estrangeira e a crise que assombra o Brasil.

Hoje são cerca de 300 lojas físicas e aproximadamente 60 virtuais quem vendem o segmento e a expectativa é que aumente em pelos menos 10% em 2017.

"Para os microempresários que pretendem abrir um negócio no ramo de confecção, o plus size é uma boa dica" afirma o Sebrae.