Sem a certeza de quando será votada, a reforma da Previdência tem causado grandes discussões. As mudanças são vistas por uma parte da população como negativas e para outra favorável. Escolhendo um dos lados, o educador financeiro André Bona afirma que a mudança é uma boa oportunidade para transformar a cultura - utilizada por muitos jovens e adultos - da busca por uma vida estável.

"Na França, Canadá, Estados Unidos, o estudante universitário deseja criar um empreendimento para mudar sua carreira, para ter início sua vida profissional, mas no nosso país a intenção é ir para concurso público. Essa é a mentalidade das pessoas para terem uma vida favorável.

Publicidade
Publicidade

Acredito que as mudanças na #Previdência farão este conceito não existir mais", diz o educador financeiro. No Brasil, em últimos números divulgados, são mais de 14 milhões de desempregados, muito deles jovens. A preocupação de Bona para a nova geração vai além da questão trabalhista.

"O déficit que existe nos cofres públicos obriga o governo a fazer mudanças nas questões trabalhistas e previdenciárias. A questão da sociedade caminhando para um envelhecimento maior da sua população fará o jovem trabalhar para pagar custos dos aposentados. Precisamos desta reforma, pois outros grandes países estão sofrendo com este fenômeno natural, mas também prejudicial", destaca Bona.

No ano passado, os gastos federais foram de R$ 250 bilhões somente com a Previdência social. Para Bona, educação financeira era o que todos deveriam ter tido quando criança.

Publicidade

Como a vida não é um conto de fadas, ele entende que ter esse interesse dos mais velhos por aprender a mexer com dinheiro não é mais possível e essa lição deverá ocorrer de forma mais dura, fora das salas de aula.

"Não foram todos que tiveram educação financeira e um conhecimento para administrar as contas pessoais. Esta reforma traz uma lição importante ao brasileiro: de que ele terá que tomar as rédeas da sua situação econômica, trabalhar com inteligência para que obtenha lucro e mais méritos pela conquista nas finanças, sem esperar uma ajuda social do governo", comenta André Bona.

Visando uma revolução educacional, Bona acredita que o brasileiro merece aprender mais na questão das finanças. Onde investir, porque ter aquele ou outro investimento é a visão do educador financeiro para o futuro. "O que está diante de nós agora é a hora de estudar, aprender e assumir o controle da própria vida financeira. A população será obrigada a guardar dinheiro e procurar informações sobre como investir. Será a maior revolução econômica individual que o país já viu", diz Bona. #aposentadoria #Reformadaprevidência