Nesta segunda-feira (24), a Casa da Moeda retomará as atividades de confecção de #Passaportes brasileiros um mês após ter sido suspensa. A retomada da confecção do documento aconteceu três dias após a aprovação orçamentária de R$102,3 milhões de reais.

Na última sexta-feira (21), o órgão responsável pela confecção dos passaportes, comunicou que já tinha em mãos os dados daqueles que haviam feito o pedido do documento durante sua suspensão. Além disso, a Casa da Moeda informou que irá trabalhar 24 horas por dia, todos os dias, para regularizar a situação.

Com a normalização prevista para acontecer em até cinco semanas, a Casa da Moeda informou que irá bancar os custos extras para as solicitações feitas nos postos da #Polícia Federal.

Publicidade
Publicidade

A confecção dos pedidos feitos durante a suspensão do serviço seguirá a linha cronológica de solicitações.

Crédito extra

O serviço de confecção de passaportes estava suspenso desde o dia 27 de junho. Segundo a PF, o motivo da suspensão ter ocorrido não foi pela falta de recursos, mas sim pelo fato da verba específica para isto ter atingido o seu limite.

O crédito extra, aprovado pelo Congresso Nacional no último dia 13, foi sancionado pelo presidente Michel Temer no último dia 19, dois dias antes de sair no Diário Oficial da União.

Com a volta da emissão de passaportes, a demanda deve crescer ainda mais. Segundo a PF, desde a suspensão dos serviços o número de solicitações do documento chegaram a 175 mil. Como já relatamos anteriormente, os formulários preenchidos no site e nos postos continuaram a funcionar, porém, sem data exata para entrega do documento.

Publicidade

A verba extra para normalizar a situação foi retirada de uma contribuição que o Brasil faria à Organização das Nações Unidas (ONU). Ainda não se tem informações sobre um possível ressarcimento de fundos.

Passaporte mais caro

Desde 2008 a emissão de passaportes teve seu custo aumentado em pouco mais de 60%. Antes custando R$156,17, o documento padrão passou a ser cobrado pela taxa de R$257,25, enquanto que o emergencial passou a custar R$334,42.

Com a atual crise econômica, há a possibilidade da emissão do documento ficar mais cara. Recentemente, foi declarado que o preço da gasolina, por exemplo, iria aumentar em até R$0,41 centavos devido ao aumento dos impostos nos combustíveis.

As diversas reformas feitas ainda não mostraram uma melhora significativa no estado econômico do país, sendo necessário esperar a longo prazo para de fato, ver resultados. #CasadaMoeda