Deflação é o oposto da inflação, mas afinal isto é bom ou ruim?

Neste mês de junho os consumidores puderam perceber a diferença nos preços dos alimentos, principalmente no #Preço de alguns legumes, como o tomate que teve queda de quase 20% (19,22%), a batata inglesa ficou mais de seis por cento (6,16%) mais em conta, e as frutas que ficaram quase 6% (5,90%) mais baratas.

No mês passado além de cair os preços das frutas e legumes também houve queda no custo da energia elétrica, quando o preço dos produtos caem em determinado período do ano, a economia registra a #deflação, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) o índice recuou 0,23%.

Publicidade
Publicidade

A última vez em que o índice teve variação negativa foi há 11 anos, mas o que parece ser uma boa notícia na verdade não é segundo economistas a deflação é tão ruim quanto a hiperinflação.

O que acontece é que consumidor fica com a esperança que com as quedas nos preço irão continuar e deixam de comprar. E sem consumo, os preços caem abaixo do valor de produção, gerando uma retração ainda maior da #Economia.

Segundo especialistas esta deflação é pontual "nós tivemos algo pontual e muito bem caracterizado em função de uma maior oferta agrícola chuvas no norte e nordeste que trouxeram (a bandeira verde) queda no custo da energia elétrica e ainda nós tivemos um pouco da redução dos preços dos serviços" disse Luiz Franca, ´presidente da ABRAINC, em entrevista para o Jornal da Cultura.

Enquanto isso, Temer comete mais uma gafe

A economia brasileira também foi tema de um vídeo gravado pelo presidente Michel Temer, que está na Alemanha participando da cúpula do G20.

Publicidade

Por lá o presidente disse que teve a chance de relatar aos outros lideres o que sua administração vem fazendo, e cometeu mais uma gafe. Ele estava explicando, "eu pude fazer uma relato daquilo que estamos fazendo no Brasil gerando exatamente inflação baixa, reduzindo os juros, fazendo voltar o desemprego e combatendo a recessão." disse o presidente Michel Temer em um vídeo gravado na Alemanha.

Mesmo descartando a gafe cometida por ele, vale olhar que temos uma fala totalmente incoerente com a realidade do país, claro que tivemos alguns indicadores positivos, mas depois de dois anos e meio de indicadores fortemente negativos a economia caiu 7% , os investimentos mais de 26%, e o desemprego chega a 14 milhões de desempregados. Então, podemos dizer que a crise é profunda e cenário político econômico que o país se encontra não corrobora com o otimismo do presidente.