Publicidade
Publicidade

Em meio ao rombo nas contas públicas anunciado diariamente e a necessidade do governo em enxugar o orçamento e elevar a arrecadação, o governo federal [VIDEO] anunciou, nesta quarta-feira (23), a privatização da Casa da Moeda, onde são confeccionados as notas de real, passaportes brasileiros e também os selos postais e diplomas. Espera-se que o edital seja publicado no terceiro trimestre de 2018 e o leilão ocorra até dezembro do mesmo ano. Hoje, a casa da moeda está ligada ao Ministério da Fazenda.

Os leilões fazem parte do PPI (Programa de Parcerias de Investimento) do governo #Michel Temer com o intuito de discutir e analisar as concessões e privatizações.

Publicidade

Nesta quarta-feira, o PPI divulgou um calendário com previsões de várias ações direcionadas a leilões de bens públicos. O propósito é elevar a receita do governo ao máximo para conseguir cumprir as metas fiscais.

Veja mais propostas do governo Temer

Foi anunciado o leilão de uma parte da BR-364 entre Rondônia e Mato Grosso e a relicitação de um trecho da BR-153 entre Goiás e Tocantins. Em 2014, ainda no governo da presidenta #Dilma Rousseff, foi realizado o leilão da BR-153, mas, a concessionária Galvão, ganhadora do processo licitatório, não cumpriu com os itens previstos e teve o contrato cancelado.

A previsão é de que o leilão de ambos os trechos seja realizado no último trimestre de 2018. [VIDEO] O Ministério dos Transportes sugeriu a concessão de 15 terminais portuários, locais destinados à movimentação de cargas.

Publicidade

Os terminais a serem leiloados são os portos de Belém, Vila do Conde, Paranaguá e Vitória.

A sugestão do governo abrange também o aumento antecipado do terminal de fertilizantes do Porto de Itaqui e a aprovação para aumentar a capacidade do Terminal Agrovia do Nordeste, no Porto de Suape. Estes leilões também têm previsão para acontecerem em 2018.

Outro anúncio feito pelo PPI é a intenção de que novos aeroportos sejam leiloados no segundo semestre do próximo ano. De acordo com a divulgação feita, o Ministério do Planejamento propôs a concessão dos aeroportos de Macaé, no Rio de Janeiro, e o de Congonhas, em São Paulo. O Ministério dos Transportes, por sua vez, propôs a privatização de dois aeroportos, sendo em dois blocos, além do Aeroporto Eurico Salles, em Vitória, Espírito Santo.

No bloco Nordeste estão: Aracajú, Maceió, Campina Grande, João Pessoa, Recife e Juazeiro do Norte. O bloco Centro- Oeste é composto por: Sinop, Alta Floresta, Cuiabá, Rondonópolis e Barra do Garças.

A proposta ainda reforça a intenção do governo de vender as participações que tem das ações da Infraero nos aeroportos de Confins, Guarulhos, Galeão e Brasília. Todos esses aeroportos foram leiloados durante o governos de Dilma Rousseff. #governo federal