Publicidade
Publicidade

Sendo um dos países com maior território no mundo e também um dos campeões em população, a #China têm aumentado sua demanda do #Petróleo. Atualmente já está como o segundo maior país que utiliza da commoditie – perdendo apenas para os Estados Unidos. Mas o que faz a China precisar de tanto petróleo?

Baseada em uma economia fortemente industrializada, a China tem uma forte demanda pelo petróleo, utilizado na indústria. Outro motivo também está no consumo chinês, que vem aumentando especificamente em automóveis. "A economia chinesa está sofrendo uma mudança para o lado do consumo, já em 2017, as vendas de automóveis aumentaram em mais de 6%, e o setor industrial nos dois primeiros meses do ano atingiram 6,3%", comenta Ellen Wald, especialista na indústria global de energia.

Publicidade

Em abril, o governo chinês aumentou os impostos para carros e houve uma leve queda na compra dos veículos sendo recuperado no mês de maio. Hoje o mercado de SUVs - carros que os chineses optam por comprar - representam 17% do mercado de veículos no país.

Sem ter uma indústria de petróleo próprio, a China necessita comprar os barris dos mercados mundiais, aproveitando o preço baixo. O mercado precificava às 12h42 o barril refinado em 52,53 dólares, em queda de 0,23%, e o bruto também em baixa de 0,61% custando 49,23 dólares. Em 2016 foi divulgado pelo governo o número de 236 milhões de barris de petróleo bruto ou WTI. Não sendo mais divulgado regularmente, alguns analistas, por imagens de satélite, tem percebido que o país tem feito novas estruturas para acomodar mais óleo dentro do seu território criando uma reserva estratégica.

Publicidade

Pela grande demanda que existe, se os chineses tivessem parado de fazer mercado, os preços teriam tido um recuo maior, mas não é o que vem ocorrendo.

Refinaria

Com a compra do petróleo bruto, a China precisa refinar o petróleo e com isso as suas refinarias estatais atuam em níveis estáveis, já as independentes elevaram o trabalho de refino do óleo com as importações que o país tem feito, "Conhecidas como 'bules de chá', as refinarias no primeiro semestre deste ano aumentaram 3% o trabalho de refino chegando a mais de 10 milhões de barris por dia", comenta Ellen.

Para suprir a demanda, os países exportadores de petróleo tem feito uma briga para vender os barris para China. Entre os que mais vendem estão a Rússia e a Arábia Saudita, que neste mês decidiu diminuir em 6,6 milhões de barris a sua exportação, na intenção de equilibrar o preço da commoditie. Dados mostram que as importações neste ano para os chineses, sendo petróleo russo e saudita chegam a 1 milhão de barris por dia, "Estes números mostram um aumento das exportações dos russos para china, mas os sauditas continuam estáveis nas vendas", finaliza Ellen. #Russia