Publicidade
Publicidade

O #Banco do Brasil lançou mais uma novidade nos últimos dias: reduzirá suas taxas de juros para alguns de seus produtos, e desta fez é a pela sétima vez que a mudança está sendo promovida pela instituição.

O banco acabou sofrendo as influências da crise financeira [VIDEO]em 2016, assim como todas as instituições [VIDEO]financeiras do país. Com o passar o tempo, as taxas tinham ficado menos atrativas para os clientes que precisavam de dinheiro em um período no qual o país não estava caminhando com os dois pés. Felizmente, a cultura política-econômica do Brasil está passando por mudanças e o banco pôde anunciar novas mudanças para os próximos períodos.

Publicidade

Linhas de financiamento de veículos para pessoas físicas sofreram mudanças bem como algumas que são destinadas a gerar capital de giro para empresas de pequeno, médio e grande porte. Além disso, houve também alteração em produtos de desconto de cheques e linhas de imóvel próprio. Lembrando que o BB disponibiliza taxas de acessibilidade maiores quando os clientes contratam as operações pelo aplicativo de celular do banco. Confira abaixo algumas das mudanças que foram promovidas por esta última atualização.

A realização destas diminuições são todas baseadas nas mudanças que a taxa básica de juros (e a meta dela) promoveram. Com a taxa publicada próxima de 7,5%, os bancos puderam trabalhar em cima de seus produtos a fim de fomentar mais a vida econômica do estado federativo.

Em geral, no Banco do Brasil, as linhas de 'Crédito Imóvel Próprio' saíram das taxas que variavam de 1,69% até 2,10% e caíram para uma percentual de 1,44% até 1,90%, ao mês.

Publicidade

Já os financiamentos de veículo pelo banco na linha 'BB Crédito Veículo' (novos e seminovos, praticados via aplicativo) deixaram o patamar de 1,19% até 2,33% caindo para valores como 0,99% a 2,23%, taxas muito além das praticadas no mercado.

Quando se fala ainda de financiamento de veículo para aqueles que foram utilizados por até 5 anos, o banco promove a contratação via mobile a partir de 1,29%, podendo chegar até 2,73%, lembrando que as taxas eram de, no mínimo, 1,39% e máximo 2,83%, no passado.

Já para os descontos de cheques, destinados primariamente para pessoas de direito jurídico, a taxa para trinta dias de uso vai de 1,14% a 4,52% para o mínimo de 1,08% a 4,46%, dependendo do perfil do cliente. Já para as linhas jurídicas de antecipação de crédito para os logistas, os valores vão ser cercados entre desconto de títulos ,16% a 2,19% ante 1,22% a 2,25%. #Mudança de taxa de juros