Publicidade
Publicidade

As pessoas que tinham dinheiro guardado na poupança durante os anos 1980 e 1990 e foram prejudicadas com planos econômicos poderão recompor parcialmente o prejuízo em breve. Para isso, foi negociado um acordo com os bancos, de modo que serão encerradas aproximadamente um milhão de ações na justiça. Entretanto, o cidadão que concordar terá que abrir mão do processo judicial. Ainda não foi definido a forma nem a data como será realizado o ressarcimento.

Para os bancos, o acordo é bem-vindo, pois as entidades de defesa do consumidor calculam que as indenizações na justiça seriam aproximadamente na ordem dos de quase 30 bilhões de reais.

Publicidade

Foram praticamente quase 30 anos de briga judicial. Um confronto entre os poupadores de cadernetas de poupança e os bancos.

Na Justiça tramitam cerca de um milhão de ações questionando as perdas no rendimento das cadernetas decorrentes de 4 planos econômicos [VIDEO] que foram executados no Brasil: o plano Bresser, de 1987; o Verão, de 1989, e os planos Collor 1, de 1990 e Collor 2, de 1991.

O Plano Collor 1 aconteceu há 27 anos, mas está nitidamente na memória de milhares de poupadores brasileiros. Foi o plano que no dia seguinte da posse do ex-presidente Fernando Collor de Mello aconteceu o congelamento dos depósitos bancários, e as cadernetas de poupança de todos brasileiros ficaram intocáveis .

Naquela ocasião, a ex-ministra da Fazenda Zélia Cardoso de Mello falou que as pessoas que possuíam acima de 50 mil cruzeiros depositados na poupança [VIDEO] ficariam com os valores guardados, mas retidos junto ao Banco Central, convertidos em cruzados novos.

Publicidade

Esse acordo para recebimento do dinheiro congelado nas décadas de 1980 e 1990 foi mediado pela Advocacia-Geral da União, que negociou durante 13 meses. Os termos do acordo só serão finalizados na próxima semana. Após a assinatura, o documento será encaminhado ao Supremo Tribunal Federal, onde tramitam as ações.

Para que o acordo tenha validade e os poupadores comecem a receberem o dinheiro, é necessário que o STF efetue a homologação.

Só quem entrou com processo na Justiça será ressarcido?

De acordo com fontes envolvidas no processo de negociação, algumas condições para recebimento do dinheiro já foram confirmadas. Serão ressarcidos apenas as pessoas que já entraram com ação na Justiça, indiferente se foi individual ou coletiva. Os poupadores terão que fazer a comprovação, através de algum documento, que na época ele possuíam dinheiro na caderneta de poupança.

Acreditam que o ressarcimento começará a ser realizado entre o meses de janeiro e fevereiro de 2018 [VIDEO], de modo que os valores poderão ser efetuados à vista ou parcelados, conforme a quantia a ser recebida. #SBT #Polícia