Uma novidade que vai, em alguns meses, mexer com a vida de professores em todo o Brasil: uma plataforma online que promove a arrecadação de recursos para aqueles projetos que muitos educadores têm e não conseguem implantar ou realizar pela falta de recursos. É sabido que a #Educação brasileira é bem carente de recursos, que as escolas públicas têm - e mal têm - para sobreviver, imagine então para que os professores coloquem em prática os seus projetos.

O que não se sabe é que há pessoas que têm interesse em colaborar, mas não há uma "ponte" que os ligue. Não havia. Os pernambucanos Luiz Paulo Ferraz e Pedro Dantas tiveram uma ideia e a colocaram em prática: criaram uma plataforma de financiamento coletivo voltada só e exclusivamente para que se consiga viabilizar projetos da rede pública de ensino: o somosprofessores.org.

A dupla teve essa ideia em 2010, quando cursavam o curso de História e perceberam que havia bastante projetos interessantes nas escolas públicas, mas carentes de apoio e de recursos. Os dois então mobilizaram outros colegas, mesmo de outras áreas - jornalistas, psicólogos, pedagogos, advogados e contabilistas, além de professores - e criaram uma associação sem fins lucrativos que deu vida à plataforma no início de 2015.

A plataforma, grosso modo, pode ser comparada à famosa "vaquinha", a diferença é que agora é virtual e que saiu "dos muros" das escolas e tornou-se pública, onde todos podem colaborar.

Como funciona o financiamento

O professor tem que cadastrar no site e fazer a sua proposta de projeto. Tem que explicar a iniciativa, o impacto que causará e quais são os recursos necessários. Uma equipe do site avaliará o projeto e fará um orçamento para  encontrar os melhores preços. Fechado um valor total, o projeto é então publicado. Arrecadado o valor, o professor recebe os produtos que precisa (não são entregues valores e sim produtos).

Após o fechamento de um projeto, os doadores recebem a prestação de contas feita pela plataforma, mostrando como foi gasto o dinheiro e os professores, por sua vez, se comprometem a enviar registros.

Do lançamento da plataforma até agora, nove projetos já foram viabilizados e há dois em fase de captação. Atualmente somente as propostas de escolas de Pernambuco estão sendo aceitas, mas há a intenção e o projeto de que a rede se amplie para escolas de todo o país. #Curiosidades