O EJA (Educação de Jovens e Adultos) tem matriculado na capital paraense (Belém) mais de 6.450 alunos, e a maior parte são pessoas que já estão na terceira idade. O processo de aprendizado no projeto é feito em mais de 40 escolas no estado.

Antônio Serafim (62), que tinha o curso de pedagogia incompleto, agora já tem a oportunidade de concluir o curso. Ele teve bastante disciplina e concentração. Antônio conta que muitas pessoas chegaram a desanimá-lo com as palavras. ''Em um curso superior, você vai ficar por 4 anos e esses anos serão perdidos, após a conclusão, o que você vai fazer?''. Ele sempre respondeu: ''No tempo que vou passar estudando na #universidade, eu vou ganhar muito mais conhecimento, e assim ajudar outras pessoas após a conclusão do curso''.

Ele finalizará o curso no fim de 2015, e em seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), Antônio irá defender  a educação dos adultos e jovens, com objetivo sobre o analfabetismo. “Se tem coisas que você acredita, corra atrás dessas coisas", falou Antônio.

Exemplo familiar

Maria de Nazaré (79) tem 8 filhos e ainda encontra tempo para os bisnetos e netos. ''Eu tenho todos como tudo para mim, e isso é maravilhoso”, falou Maria. ''Ela é o alicerce principal. Minha mãe é muito trabalhadora e um grande exemplo de mãe para todos nós'', disse Aline, filha de Maria. “Eu tenho inveja do pique dela, pela idade que ela tem'', comentou Ana Claudia, outra filha.

Selma Machado, que é professora, fez um estudo há oito anos sobre os idosos e Maria estava inclusa. Os idosos sempre têm um papel importante na família, porém, a professora queria saber sobre a maneira que estes conduziam esse papel. "Há muitos que são exemplos tanto moral, quanto emocionalmente. E alguns, até sustentam as famílias", falou Selma.

O desejo de manuscrever o próprio nome 

Muitas pessoas têm objetivos enormes na vida, como, por exemplo, terminar o curso superior, ou constituir uma família. Para Maria Carvalho, 73, o maior desejo era manuscrever o próprio nome. Atualmente, isso já é possível. “Já teve casos que eu recebi encomendas pelos correios e era necessário assinar, porém, eu não sabia. Agora é diferente'', afirma Maria. ''As coisas das lojas e os cartões eu mesmo que assino. Isso me deixa com um enorme orgulho'', conclui. #Educação #Curiosidades