O ministro da #Educação e Cultura, Aloizio Mercadante, anunciou na sexta-feira (18) mudanças no sistema de avaliação dos alunos universitários no Brasil. Uma das mudanças que chama à atenção é a obrigatoriedade da realização do Enade (Ensino Nacional de Desempenho dos Estudantes) e sua inclusão como critério para ingresso em cursos de pós-graduação. O ministro tenta, desta forma, despertar nos meios universitários mais interesse pela realização do exame. Além disto, o mesmo tem como objetivo avaliar a qualidade do ensino superior das universidades brasileiras.

A  utilização do Enade como critério obrigatório para a pós-graduação a partir de 2016

O objetivo do MEC é a revitalização do Enade, cujo objetivo inicial seria a avaliação da instituição do ensino superior. Assim como o ENEM, que avalia a trajetória escolar do aluno até o seu ingresso na #universidade, o primeiro avaliará o desempenho do aluno dentro da universidade e deverá passar por reformulações, que ampliarão a sua utilização como instrumento de análise. A primeira mudança será a inclusão da nota do exame no currículo do aluno. Além disto, o resultado será critério obrigatório para ingresso em cursos de pós-graduação.

Outra mudança será a implantação do Enade digital. O ministro considera o fato das universidades possuírem laboratórios de informática e estruturas já adaptadas para o ensino à distância. Isto irá facilitar a realização do exame, além de produzir dados mais exatos, a respeito do desempenho dos alunos  e das instituições de ensino.

Mudança no critério de avaliação dos cursos superiores

A partir de 2016, será incluído, no critério de avaliação dos cursos, a quantidade de alunos que desistem dos cursos superiores (taxa de desistência) e a evolução no desempenho daqueles que permanecem na universidade (egressos). Nesta sistemática, será feito o comparativo entre a nota do Enem e a do Enade. De acordo com Mercadante, espera-se que seja obtido uma avaliação mais precisa das universidades, no processo de formação de seus alunos.

A última avaliação feita em 2014 contou com a participação de 9.963 cursos, de cerca de 2.042 universidades e centros de ensino superior. Destes, foram inscritos 481.720 estudantes, que estavam em fase de conclusão. Participaram do exame 396.862 do total de inscritos. Pelo critério de avaliação do MEC, as notas vão de 1 a 5. Na obtenção e análise dos resultados, foi verificado que mais de 85%, tiveram nota acima de 3. Os que ficaram com nota igual a 3 totalizaram 55% e com nota igual a 5, apenas 2,23%.

O critério de avaliação de nota 3 para as universidades, possibilita o acesso ao FIES, Pronatec e Prouni, além de poder renovar seu credenciamento junto ao MEC.

Criação de um portal virtual de diplomas

Com a obrigatoriedade do Enade, o MEC criará, na internet, um portal oficial de diplomas. o qual abrangerá todos os diplomas das instituições de ensino superior no país. O objetivo é eliminar a possibilidade de fraudes e de emissão de documentos falsos.