Estudantes de universidades brasileiras participaram de pesquisa em que foi mostrado que 27% dos homens acham que abusar de uma garota bêbada não é crime, nem caracteriza #Violência.

Segundo pesquisa do Instituto Avon e do Data Popular, com o título de "Violência contra a mulher no ambiente universitário", que circula desde quinta-feira (3), por medo de sofrerem violência, 36% das mulheres já se afastaram das universidades.

Elas afirmam ainda que 14% dos colegas estão cientes do estupros. Mais de 28% das mulheres disseram já ter passado por algum tipo de violência e somente 13% dos homens confirmaram ter praticado tal crime.

Tipos de violência

Conforme divulgado na pesquisa, foram consultados especialistas e uma bancada universitária para estabelecer uma lista com os diversos tipos de abuso.

Entre os muitos estão: desqualificar a mulher intelectualmente, agressão moral e psicológica.

Foram ouvidos cerca de 1.823 estudantes de graduação e pós-graduação, dos quais 1.091 são mulheres e 732 homens. A maioria de classe média ou alta e estudam em faculdades particulares.

Todos os jovens ouvidos concordaram que o assunto 'violência contra a mulher deve ser largamente discutido em sala de aula e que as instituições deveriam tomar medidas severas para punir o culpado pelo crime de abuso.

Sob o olhar masculino

Conforme foi divulgado, "muitas das agressões que aparecem na lista são apenas brincadeiras inofensivas ou derivam do comportamento de algumas mulheres".

Foi feita a seguinte pergunta aos rapazes: "O que consideram violência praticada contra uma jovem dentro da #universidade, nas festas, nos trotes e competições?"

Dos entrevistados, 27% limitou-se a dizer que abusar da menina se ela tiver bêbada não caracteriza crime, outros 35% apostam não estar cometendo abuso ao coagir uma garota a participar de atividades que agridam sua dignidade como desfiles e leilões.

E para os 31% dos rapazes entrevistado, mandar fotos e vídeos das colegas para terceiros sem a devida consulta, nem sequer entrou na lista. #Beleza