Durante o ano de 2015, o Ministério da #Educação (MEC) perdeu 10% do seu orçamento, ou seja, R$ 10,5 bilhões de reais na educação, isso no mesmo ano em que a presidente Dilma Rousseff optou pelo slogan Pátria Educadora como lema do seu segundo mandato. No decorrer do ano houve cortes em programas, trocas de ministros e pagamentos atrasados. O lema foi anunciado durante o primeiro dia do ano de 2015, porém, os problemas apareceram rápido demais. Antes de conseguir oficializar o bloqueio de orçamento na área do ajuste fiscal, os cortes atingiram programas como o Financiamento Estudantil (FIES) e o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), as duas principais agremiações políticas da presidenta Dilma no setor da educação durante as eleições de 2014.

Com o aumento de financiamentos durante o ano de 2010 a 2014, o governo mudou as regras do Financiamento Estudantil (Fies), nos últimos dias do ano de 2014. Limitaram a entrada ao programa e mudaram os pagamentos das empresas educacionais. O ano de 2015 se encerrou com 313 mil contratos, sendo 57% a menos do que foi apurado no ano de 2014.

De acordo com os dados apurados ontem (01), a União gastou R$ 12 bilhões com os Fies em 2015, 16% menor do que o ano de 2014 em que foram 13,7 bilhões. No Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), houveram atrasos nos pagamentos para as escolas e algumas turmas novas foram adiadas durante o primeiro semestre. O Ministério da Educação (MEC), afirmou que foram registrados 1,1 milhão de novas matrículas durante o ano de 2015.

As bolsas que fazem parte ou ajudam na iniciação à docência e alfabetização estão atrasadas. Durante o ano, algumas outras iniciativas do governo sofreram com a falta de recursos, como o programa Mais Educação, que é direcionado a escolas de tempo integral e o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), que disponibiliza dinheiro para as unidades escolares. Por conta dos cortes de verbas, houveram consequências nas universidades, tais como, a greve dos professores universitários federais que durou 5 meses. #universidade