Beatriz Sans, 21, Kaique Dalapola, 21, Larissa Darc, 18, e Vinicius Benario, 27, terminariam o ano de 2015 empregados e cursando ensino superior na Faculdade do Povo de São Paulo (FAPSP), mantida pela Pró-Graça, ligada à Igreja da Graça. Mas em dezembro, a situação dos quatro e de centenas de alunos da FAP mudou com o anúncio do fechamento da instituição especializada em cursos de comunicação.

Os quatro estudantes conversaram com a reportagem do Blasting News e contaram sobre a sua atual situação.  Beatriz, Larissa e Vinicius ficaram sem faculdade, mas continuam em seus estágios. “Prometi para os meus patrões estar matriculada em alguma faculdade até o mês que vem. Se eu não conseguir, posso ficar desempregada”, afirma Larissa, que vai para o terceiro semestre de Jornalismo.

“Um amigo meu já perdeu o estágio por estar sem matrícula e isso pode acontecer comigo”, comenta Beatriz, que finalizou o sexto semestre de Jornalismo e já planejava o Trabalho de Conclusão de Curso. Kaique, graduando do quarto semestre de Jornalismo e estagiário da FAPSP, ficou sem estudo e sem trabalho.

MEC notificou instituição

Kaique mantém a esperança de que a FAP possa voltar a funcionar. Alguns alunos se reuniram com uma advogada e torcem por uma liminar que obrigaria a faculdade a ser reaberta para, pelo menos, finalizar os cursos iniciados.

De acordo com o Ministério da #Educação (MEC), a Faculdade do Povo foi notificada no dia 22 de dezembro, para que sejam prestados esclarecimentos sobre a suspensão repentina de suas atividades.

“O MEC não foi comunicado oficialmente, como estabelece a legislação”, diz a pasta, que abriu um procedimento de supervisão para averiguar a situação e aplicar eventuais penalidades à instituição.

FAPSP recomenda transferência à Unisa

A FAP firmou um termo de compromisso com a Universidade de Santo Amaro (Unisa), que abriu um campus próximo à estação Metrô Marechal (Linha 3 – Vermelha do Metrô). “Com condições análogas no tocante à mensalidade”, diz a Faculdade do Povo em seu site.  

Mas nem todos os alunos concordam com esta decisão. “A Unisa não é uma opção pra mim e não concordo com esse termo”, diz Beatriz. “Estão nos empurrando para uma instituição que não escolhemos”, afirma Larissa.

Os estudantes ligados à Igreja da Graça estão mudando para a Unisa. Vinicius Benario, que não é ligado à igreja, também decidiu ir para a instituição indicada pela FAP, pois necessita estar cursando o ensino superior para ter seu estágio garantido.

“Como estou indo para o quinto semestre, será que encontro mais alunos nessa situação para formar uma turma?”, Questiona, preocupado. Em reunião com alunos, a Coordenadora dos Cursos de Comunicação da Unisa teria dito que existe o risco de as turmas não fecharem devido a quantidade de alunos e eles serem transferidos para o campus de Santo Amaro da Unisa. Vinicius mora em Várzea Paulista.

A reportagem entrou em contato com a Unisa por meio dos telefones divulgados no site da instituição, mas não obteve sucesso.

Documentação

Segundo o MEC, a mantenedora da instituição deve manter aberta a secretaria acadêmica para atendimento aos alunos e para prestar todos os esclarecimentos necessários para viabilizar a transferência para outra instituição credenciada pelo MEC.

De acordo com a FAPSP, a documentação dos alunos está disponível e pode ser retirada na secretaria da faculdade de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h30.

Uma frase de Vinicius Benario define toda a situação. “O fechamento da FAPSP está destruindo os sonhos de todos nós”.