Os países do Norte do continente europeu, geralmente, lideram os diversos rankings relacionados à segurança, escolaridade e o bom nível de vida de seus habitantes. Uma dessas joias no que diz respeito à extrema qualidade da metodologia de ensino, reconhecida internacionalmente, é a Finlândia. Vale frisar que até o ano vigente de 2016, a nação dos finlandeses se faz presente na listagem das regiões do planeta em que é possível realizar os estudos a um custo zero praticamente. Por outro lado, esse contexto será alterado a partir do ano de 2017, pois as leis daquele país obrigarão as universidades e centros de ensino de nível superior a realizar a cobrança de todos os seus alunos que não são europeus durante o ano em que estiverem por lá. 

Toda essa mudança foi homologada diretamente pelos dirigentes da Finlândia através do parlamento do país. Enfim, há a previsão de que sejam cobrados valores dos alunos que iniciarem a partir do mês de agosto de 2017 nos cursos direcionados a graduação e mestrado e que não tenham as aulas ministradas, seja no idioma finlandês ou mesmo sueco. 

Em outras palavras, os “candidatos estudantes” que conseguirem iniciar o ano letivo ainda em 2016 têm o direito garantido à gratuidade no término do curso que estiverem fazendo. O que deve ficar muito claro, até mesmo porque é o do interesse de inúmeros candidatos brasileiros, é que determinados programas encontram-se com as inscrições disponíveis de serem preenchidas até março. O site finlandês Studyinfo apresenta quais são esses cursos e outras informações úteis. 

O valor mínimo de anuidade que foi autorizado a ser cobrado pelo governo local é de exatamente 1.500 euros; todavia, não aconteceu a determinação de um teto ou valor máximo de anuidade, o qual pode ser diferente inclusive nas carreiras de uma mesma instituição de ensino. Algumas das muitas universidades finlandesas que já veicularam informações sobre valores e taxas que serão cobradas dos alunos são: Åbo Akademi University, Hanken School of Economics, Lappeenranta University of Technology, Tampere University of Technology, University of Eastern Finland, University of Helsinki, entre outras. 

Uma observação importante é que as taxas de cobrança não são direcionadas a estudantes ou pesquisadores de doutorado e nem a cidadãos europeus ou estrangeiros que tenham residência definitiva na Finlândia.

Há um site naquele país chamado de Study in Finland que revela as ofertas de bolsas estudantis para alunos admitidos, mas as universidades locais têm o direito de organizar as suas diferentes formas de financiamento. Na atualidade, o número de 20.000 cidadãos oriundos de outros países que estuda nas universidades da Finlândia, está isento de pagar anuidade; porém, arca com a sua despesa dita pessoal (aproximadamente 600 euros por mês). Há a permissão de que os alunos cheguem a trabalhar até 25 horas semanais. #Europa #sistema de saúde #Bolsa Universidade