O Conselho Nacional de #Educação, reconhecendo que o processo de reconhecimento de estudos de graduação e mestrado no exterior tem sido avaliado de maneira demorada pelas instituições de ensino brasileiras, a iniciativa com a nova resolução do Ministério da Educação é agilizar esse tempo que atualmente pode durar até uma década, informa o CNE.

Para ser concluído todo o trâmite de revalidação desses certificados adquiridos no exterior, os documentos apresentados por alunos são avaliados de maneira independente por Universidades Federais no Brasil, prazos com relação a esses procedimentos podem variar bastante, segundo informações do artigo publicado pelo site "espanhalegal.info".

O que mudou no processo de validação?

Foi homologado positivamente pelo Ministério da Educação no último dia 9 de maio de 2016, com esse parecer favorável o projeto apreciado pelo Conselho Nacional de Educação, modifica e unifica os processos de avaliação desta, que trata de normas referentes à revalidação de diplomas de cursos de graduação e ao reconhecimento de diplomas de pós-graduação "stricto sensu" doutorado/ mestrado, expedidos por instituições estrangeiros de ensino reconhecidas que ministrem cursos de nível superior em sua dependências.

Com a nova interpretação a ser promulgada nos próximos dias, têm-se a expectativa da diminuição de tempo estimado para a avaliação destes documentos e certificados emitidos por estas universidades estrangeiras e apresentados por alunos brasileiros.

Confira alguns trechos da nova resolução

Uma das parte mais relevantes do documento é no que diz respeito aos prazos, transcrevendo que a partir da recente resolução deverá todo o processo de reconhecimento dos estudos no exterior durar no máximo 6 meses (180 dias).

Outro ponto alterado que fará muita diferença na agilidade do processo, é que as Universidades Públicas Brasileiras serão obrigadas a receberem, em qualquer período do ano, tais documentos, dando início aos processos de avaliações internos independentemente da publicação de editais.

Com relação a refugiados, que não disponham de documentação "in loco", será possível a realização de testes e exames que determinem o conhecimento nas matérias do curso de gradução equivalente em seu país de origem.

Para mais informações, é possível acessar o edital completo logo abaixo na área de comentários. #Estudar no exterior #Intercâmbio